Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

Finalmente, a verdade!

Nada me desperta mais a atenção que a expressão de seu rosto. Olhos pequenos, escuros, escondidos atrás de sobrancelhas grisalhas de onde salta um brilho ofuscante. Olhos ligeiros, matreiros, espertos a contrastar com a velhice que o ronda, que o paquera, que joga alhures seu charme traidor. O sorriso dele, não é coisa facilmente identificável. É um ligeiro esgar maroto, quase sarcástico, às vezes para o lado direito, outras para o esquerdo. É algo forte que agride meu cérebro. Algumas vezes cruzo com ele pela Rua das Flores da minha Curitiba encantada. Em outras, estamos lado a lado, lendo a mesma notícia no jornal pregado na banca. No frio, sempre usa um surrado capote desbotado. No calor, o mesmo paletó xadrez de mangas puídas. Claudicante, corpo encurvado,... (leia mais)

Airo Zamoner




MORDAÇAS CULTURAIS?

“... A língua é minha pátria, e eu não tenho pátria, tenho mátria e quero frátria...” “Língua” Caetano Veloso “Vossa Mercedes aceita uma chávena de chá?” – tradução: “Cê qué um chá?” Pois é... Nossa belíssima Língua Portuguesa está sendo muito maltratada... Mas nos orgulhamos de nossa unicidade lingüística, apesar de nossos quase 8.600.000 Km². Oficialmente não há dialetos no Brasil. E nos orgulhamos disto. De uma mentira oficializada? De um massacre brutal, porém discreto? Que tenhamos apenas uma língua oficial em todo o território brasileiro é de se aceitar e de causar orgulho. Especialmente quando se vê a dificuldade de comunicação entre os habitantes de um país territorialmente tão... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Default



   > Nelson Hoffmann

  AUTOR  
 
Nelson Hoffmann
Nasceu no dia 19 de Dezembro de 1939, em Roque Gonzales, RS, onde reside. Advogado, Contabilista e, sobretudo, Professor. Ocupou inúmeros e altos cargos públicos. Integrante de academias e entidades culturais, correspondente de jornais e revistas, conselheiro editorial, é verbete de dicionários e enciclopédias. É o responsável pelo destaque literário de Roque Gonzales, RS. Considerado o mestre da narrativa longa na literatura missioneira, pratica todos os gêneros literários, preferindo a ficção. Traduzido nos Estados Unidos, França e Itália, é também publicado no Uruguai e em Portugal. Foi agraciado com os troféus "Amigo do Livro" (da Casa do Poeta), "Igaçaba" (da Igaçaba Produções Culturais), "O Missioneiro" (da AMM – Associação dos Municípios das Missões) e outros. Participa de inúmeras antologias e tem mais de três dezenas de trabalhos individuais publicados, destacando-se: A bofetada, 1978 (romance); O homem e o bar, 1996 (romance); Onde Está Maria?, 1997 (ro-mance); Quando a bola faz a história, 2000 (crônica histórica), Eu vivo só ternuras, 2002 (novela) e Este Mundo é Pequeno (crônicas). É autor do dístico “Roque Gonzales – Terra e Sangue das Missões”, oficializado por lei municipal.