Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

CLAUDINE

Ela se destaca nos meus olhos. Saltita alegrias. Nos rodopios, o vestido de rendas e babados restaura harmonias antigas. A minúscula mãozinha agarra o pai carrancudo. Puxa-o na avidez de conhecer os detalhes do mundo. Aos gritinhos, arrasta-o, estimulando-o a ver. Ver e opinar. Dizer como é lindo, como é feio, engraçado, estranho, tudo que se oferece descompromissado aos seus olhinhos curiosos. Observo e meu coração dói. Vontade de agarrar esse pai pelo colarinho. Sacudi-lo com violência pedagógica. Acordá-lo dos seus trinta, quarenta anos. Forçá-lo a sentir a felicidade que flui gratuita por seu braço indiferente. Gritar para que olhe, uma vez ao menos, para baixo. Fazê-lo ver que a vida berra na alegria voluntária da filha, pesquisadora do mundo. Contenho-me e ele... (leia mais)

Airo Zamoner




Cãimbra do escrivão, a deficiência, o deficiente e a felicidade.

Como portadora da cãimbra do escrivão, entendo que, a partir do momento que compreendemos, mesmo que em linhas gerais, a natureza biológica do problema e a condição em que a Ciência se encontra diante dele, podemos nos posicionar com atitudes e pensamentos para descobrir formas de sermos felizes, o que, acredito, deveria ser o objetivo principal de cada ser humano. Para sermos felizes, precisamos ser produtivos, fazendo parte da sociedade de maneira contributiva. Li muitos trabalhos científicos até entender bem o que é esta condição e as escolhas que temos diante dela. Talvez por ser bióloga, percebi logo, um ano antes do meu diagnóstico, em meados de 2001, que não era um problema ortopédico. Fui direto a um neurologista, que me encaminhou para outro e para outro... (leia mais)

Maristela Zamoner




Default



   > Lucas Borba

  AUTOR  
 
Lucas Borba

Lucas Borba, 23 anos, nasceu em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. É deficiente visual desde o nascimento e aos 12 anos perdeu completamente a visão devido ao agravo de seu glaucoma. Ainda criança, alfabetizou-se no código Braile - escrita em alto-relevo - em um instituto especializado, aprendeu a usar a bengala - que dá ao cego independência em sua locomoção -, familiarizou-se com o computador por meio de leitores de tela e afirma que, no que depende dele, tem uma vida no mínimo natural; é claro, com simples adaptações aqui e ali. Graduando em jornalismo pela UCS (Universidade de Caxias do Sul), é apaixonado por cinema, arte sobre a qual escreve, bem como sobre literatura, para o site planocritico.com. Aos 21 anos, fez sua primeira e única publicação até então com o conto Fuga, pela Andross Editora, para a antologia Livre para Voar. Lucas mora em sua cidade natal com a mãe, em um condomínio da família.