Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

O DEMÔNIO E O ELEITO

Fez um pacto, uma coligação com o Demônio e ganhou as eleições. Festejou. O Demônio veio cobrar a dívida. Foi chegando perto do Eleito. Cutucou suas costas. O Eleito olhou para trás: – O que você quer? Tinha um tom de aspereza na fala dura. – O que é isso? Não se lembra de mim? – Você acha que vou me lembrar de todo mundo? Não vê que fui eleito com milhões de votos? Milhões, entendeu? Sabe o que é isso? Milhões! Não vê minhas ocupações diárias? Nem sei como você passou por minha segurança, por minha assessoria e tem a ousadia de me cutucar pelas costas. Vou chamar minha guarda pessoal! – Calma! Não imaginei que você se esqueceria de quem permitiu sua vitória... – Saia pra lá. Qual é a graça, agora? – Não é graça nenhuma. Você fez uma... (leia mais)

Airo Zamoner




DIREITOS CULTURAIS EM PERSPECTIVA: A FAVOR OU CONTRA?

A 10 de dezembro de 1948 era adotada e proclamada a resolução 217 A (III), pela Assembléia Geral das Nações Unidas. A Declaração Universal dos Direitos Humanos encontra-se traduzida em mais de 300 línguas em seu site oficial (www...) O texto pode ser impresso e arquivado. Vivido? Este o problema maior... A questão da efetiva observância de tais direitos tem sido discutida e analisada, mas há pontos polêmicos, específicos, delicados. E os impasses tornam-se ainda maiores no tocante aos direitos culturais... O que são, afinal, os Direitos Humanos? Por acaso uma definição e uma observância mais satisfatórias destes direitos contribuiriam para melhorar a sorte de seres humanos que vivem situações de injustiças? Isto lhes garantiria uma melhor... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Default



   > Marcial Salaverry

  AUTOR  
 
Marcial Salaverry
MARCIAL SALAVERRY Sempre fui leitor voraz. Desde pequeno, sempre gostei demais de boa leitura. Meus autores favoritos foram,  Monteiro Lobato, Karl May, Leandro Dupré, Júlio Verne, Victor Hugo.Escrevia algumas brincadeiras, mas nunca pensei em ser escritor.  Minha irmã era secretária de Monteiro Lobato, e certa vez mostrou um trabalho de redação que havia feito para a escola, e o Mestre comentou que eu poderia ainda vir a ser um escritor, pois tinha estilo. Nunca o levei a sério. Deveria ter levado, pois agora descobri o prazer de soltar o que tenho dentro da alma.Somente comecei a escrever alguma coisa para a Internet neste ano. Instado por algumas amigas, comecei a escrever  Aventuras na África, narrando episódios de minha vida no Congo, durante três anos que lá vivi. Como jamais havia pensado em escrever sobre isso, nada havia anotado. Foi um excelente trabalho de memória, para lembrar-me de certos detalhes.Descobri que ainda não estou senil, embora muita gente possa pensar o contrário.Posteriormente resolvi escrever crônicas tipo auto ajuda, e muita gente tem gostado.E agora, estou poetando. Parece que estão gostando. O que vocês acham?Alguns dados biográficos:Nasci em 11/12/1938 – Casei em 19/09/1959 – E agora sou um bisavô muito orgulhoso de seu bisneto.