Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

COLEÇÃO ARQUIVOS - TESOUROS ETERNOS DA LITERATURA IBERO-AMERICANA

Livros à mancheia têm-me chegado nestes últimos meses, levando-me a um profundo mergulho no tempo. A uma reflexão intensa sobre o quanto desconhecemo-nos, ainda que parte imensa nesta América, latina e de proporções gigantescas no tocante a problemas, sim, mas também no tocante à riqueza cultural. Muitas das edições que tenho recebido não são atuais, porém preciosas ao nosso processo de busca e de integração, no qual o fator cultural faz-se imprescindível. Sem conhecermos o passado, lutamos por uma identidade inexistente, segundo alguns autores especializados no estudo e na pesquisa do fenômeno cultural ibero-americano. E as novidades, às vezes antigas, nos impedem este retorno urgente à nossa formação, à nossa certeza de que somos dignos de respeito pela... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




A terceira intenção

Tenho vontade de parar. Descansar. Interromper essa andança sem tréguas. Já trilhei à beça. Já corri, já tremi, já sofri, já ri também à beça. Já fiz troça, já respeitei, já ofendi, já obedeci, já liderei, já escrevi outra vez à beça. Já pensei que transformaria esse mundo dos homens, mas descobri que o mundo é das mulheres. Tenho vontade de parar, sim. Mas não posso! Não posso interromper essa caminhada. Tenho que trilhar mais um tanto, correr, tremer, sofrer, rir, respeitar, ofender, obedecer, liderar, escrever, transformar outro tanto, outro inútil tanto. Nasci nos estertores da segunda guerra do mundo, no limiar da paz. No vestibular da maturidade, carreguei uma pistola na cinta, pilotei um tanque de guerra, atirei com uma ponto-trinta. Joguei granadas... (leia mais)

Airo Zamoner




Default



   > Ana Maria Silva Lopez

  AUTOR  
 
Ana Maria Silva Lopez

Ana Maria de Jesus e Silva

Nascida em família de classe media, mas aos nove meses de idade seus pais se mudaram para Curitiba-PR, onde a situação financeira mudou drasticamente, tendo uma infância e adolescência difícil. De seis para sete anos foi internada em colégio interno “Instituto Nossa Senhora das Mercês” na mesma cidade, onde a então Superiora assumiu compromisso de mantê-la, ali entre outras atividades, cantou em coral da Igreja e era dançarina, tendo apresentado bailados de dança flamenca, frevo e outros em palcos diversos escolhidos para eventos proporcionados pela instituição.  Ali teve uma educação rígida de internato, mas compensador em questão de aprendizagem. Saiu do sistema de internato na pré-adolescência, estudando em várias Escolas e Supletivos, tendo concluído Nível Superior, “Licenciatura Plena em Química” e especialização em “Gestão de Sistemas Educacional” já adulta. Ingressando na Academia de Letras do Brasil Municipal de Rorainópolis-RR em 2011.

Espírito aventureiro e questionável a padrões e dogmas, tendo muitos conflitos existenciais. Eclética em praticamente tudo que existe, ou seja, musical, existencial ou espiritual, acreditando, mas questionando.

Em 1996 sai do Paraná e migra para a maior floresta densa do planeta estabelecendo-se em Roraima onde teve contato real com a natureza e realidades até então desconhecida, ali fluiu a essência do bem e do mal, vida, natureza, afetividade, solidariedade, relacionamentos, política, superação de fobias e medos.

 

Sempre teve hábito de escrever e ler, mantendo alguns diários. Em 2011 enviou sua primeira obra “Roubaram meu fusquinha, verde, amarelo ou vermelho”, um Conto baseado em fato real ao “Projeto Lume” da “Editora Protexto”, sendo aprovado em janeiro de 2012, e publicado no mesmo ano, descobrindo então sua aptidão e colocando em prática seu desejo em mostrar ao mundo o que a vida lhe ensinou, como também histórias resgatadas de fatos reais.