Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

SEMEADURA

Avistando um aglomerado de mercadores, um andarilho gritou, decidido: - Atenção! Fechem o caminho; vou passar! Surpreso ao sentir um toque em seu ombro, voltou-se e deparou com a razão: - Por que agiste desta forma? Não sabes que é preciso caminho aberto para seguir adiante? O andarilho, sentando-se sob gigantesca árvore de multividências, dirigiu-se à razão, num repente: - Pedi que fechassem o caminho para que minha loucura não fugisse... A razão, mais confusa que convencida, argumentou sem hesitar: - Não há coerência no que dizes. Explica-te ou afasta-te de mim! Cruzando os braços sobre os joelhos, o andarilho insistiu: - Não desejei que minha loucura partisse, por não querer viver comprometido com tua existência mascarada... A razão, indignada, protestou sem mais... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




DEUS EX-MACHINA

Gostaria de falar não dum recurso técnico de última hora, ou de mágica inexplicável do computador. Mas sim, de um “Deus que desce por meio de uma máquina”, amorfo, subentendido, perversamente escondido em todas as frases, sons e imagens da violência atual. Tenho me encontrado com um certo “DEUS EX-MACHINA” com freqüência, embora o tente repeli-lo, ele tem insurgido insistentemente em quase tudo que leio, assisto e vejo. É possível demonstrar sua presença atualmente em mais de 80% do que se escreve, filma ou televisiona. Fica difícil explicar à luz da lógica, esta capacidade milagrosa dos “mocinhos”, “heróis” atuais de escaparem ilesos das cenas violentas a que são submetidos. São “Imagens”, “Sons” e “Letras”, que surgem não sei donde;... (leia mais)

Gilmacedo




Default



   > Ana Maria Silva Lopez

  AUTOR  
 
Ana Maria Silva Lopez

Ana Maria de Jesus e Silva

Nascida em família de classe media, mas aos nove meses de idade seus pais se mudaram para Curitiba-PR, onde a situação financeira mudou drasticamente, tendo uma infância e adolescência difícil. De seis para sete anos foi internada em colégio interno “Instituto Nossa Senhora das Mercês” na mesma cidade, onde a então Superiora assumiu compromisso de mantê-la, ali entre outras atividades, cantou em coral da Igreja e era dançarina, tendo apresentado bailados de dança flamenca, frevo e outros em palcos diversos escolhidos para eventos proporcionados pela instituição.  Ali teve uma educação rígida de internato, mas compensador em questão de aprendizagem. Saiu do sistema de internato na pré-adolescência, estudando em várias Escolas e Supletivos, tendo concluído Nível Superior, “Licenciatura Plena em Química” e especialização em “Gestão de Sistemas Educacional” já adulta. Ingressando na Academia de Letras do Brasil Municipal de Rorainópolis-RR em 2011.

Espírito aventureiro e questionável a padrões e dogmas, tendo muitos conflitos existenciais. Eclética em praticamente tudo que existe, ou seja, musical, existencial ou espiritual, acreditando, mas questionando.

Em 1996 sai do Paraná e migra para a maior floresta densa do planeta estabelecendo-se em Roraima onde teve contato real com a natureza e realidades até então desconhecida, ali fluiu a essência do bem e do mal, vida, natureza, afetividade, solidariedade, relacionamentos, política, superação de fobias e medos.

 

Sempre teve hábito de escrever e ler, mantendo alguns diários. Em 2011 enviou sua primeira obra “Roubaram meu fusquinha, verde, amarelo ou vermelho”, um Conto baseado em fato real ao “Projeto Lume” da “Editora Protexto”, sendo aprovado em janeiro de 2012, e publicado no mesmo ano, descobrindo então sua aptidão e colocando em prática seu desejo em mostrar ao mundo o que a vida lhe ensinou, como também histórias resgatadas de fatos reais.