Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

MINHA PRIMEIRA COMUNHÃO

Tinha quase nove anos. Fui criada na religião católica. Meus pais eram muito religiosos. Quando se aproximava o Natal, eles promoviam lá em casa uma novena. Além da família, os vizinhos também participavam. Após a novena, eu me sentava ao piano e tocava várias músicas sacras, inclusive a Ave Maria de Schubert. Todos me aplaudiam, dizendo que eu executava com técnica e sentimento as partituras. Quando completei meus nove anos, minha mãe me informou que a Diretora da minha escola, Da. Neide Arruda Leal, desejava que seus alunos da terceira série fizessem a preparação para a primeira Comunhão com as catequistas da Igreja... (leia mais)

IVETE FLORES CATTA PRETA RAMOS




Sexo e Dança de Salão

Quando “fui iniciada” nas artes da dança de salão, no início da década de 1990, percebi algo nebuloso e fortemente relacionado a sexo na atividade. Desde então venho observando, analisando, pesquisando e estudando a natureza desta relação. Precisei de anos para chegar ao ponto de entendê-la. Por ocasião do meu primeiro contato com a dança de salão, percebi que esta atividade exercia uma influência avassaladora sobre o comportamento sexual das pessoas de qualquer faixa etária. Inicialmente, imaginei que isto se devia ao fato de que a dança de salão é dependente da relação de masculinidade e feminilidade. Esta relação se dá por... (leia mais)

Maristela Zamoner




Default



   > Luiz C. Lessa Alves

  AUTOR  
 
Luiz C. Lessa Alves

  Poesias
  QUANDO EU ERA PEQUENO
  OCASO
  TIMIDEZ
  SEGURANÇA E PAZ
  O CASARÃO - MONÓLOGO
  LUAR NA PRAIA
  ANJO DA GUARDA
  A LUA E EU
  A COLCHA
  O GALHO E O PASSARINHO
  MEU CURIÓ
  SOLIDÃO OUTRA VEZ
  MEU BARQUINHO DE PAPEL
  FLAMENGO E A BOLA
  RODOVIAS DO BRASIL
  A CANETA
  OVELHAS FERIDAS
  NOITE DE NATAL
  RETIRANTES
  UM TOQUE UMA ESPERANÇA
  POR QUÊ
  PORTAS FECHADAS
  SEMEADURA
  SEM MOBÍLIA
  JOSÉ JOÃO E MARIA
  SILÊNCIO
  PEQUENO MUNDO
  O HOMEM
  O SÍTIO DO VOVÔ
  A CANOA E O NAVIO
  A FLOR E O FRUTO
  VÍCIOS DA MOCIDADE
  SONHO E DESILUSÃO
  ÂMBITO E RECINTO
  FUGA
  O MURCHAR DA FLOR
  SEM TINO
  MINHA CASA
  MULHER
  MINHAS PASTAS
  O COLIBRI
  RAZÃO E SENTIMENTO
  PAI E FILHO - PAÍSES E NAÇÕES
  ALEGRIA DE POBRE
  FÉRIAS NA BAHIA
  CASA SEM ALMA
  SEGREDO
  O TEMPO
  SOLIDÃO
  NOITE URBANA
  MEU MUNDO
  ANOITECER
  SER BRASILEIRO
  UM PÔR-DO-SOL NA BAHIA
  A NOITE EM GRUMARI
  SUBSTITUTO DO AMOR
  MARINHEIRO
  O ANIVERSÁRIO
  A ABELHA
  MINHA MONTANHA
  MEU SABIÁ
  TODOS INDEFINIDOS
  PAREDES
  Resenhas
  QUANTOS IDIOTAS HÁ NO BRASIL
  PAC
  A EXPULSÃO DE HERNANES
  Artigos
  O LIVRO
  Ensaios
  MENTIRAS DE PERNAS LONGAS
  SONHO PRECOCE - 2014 - MONÓLOGO
  FELIZ: SER OU NÃO SER
  Contos
  COLCHA DE RETALHOS
  A CASA DO VOVÔ
  PROFESSORA E ALUNO
  O HOMEM
  AQUELES DIAS
  SANSÃO
  NOMES APENAS NADA MAIS
  O VIAJANTE E AS PÉROLAS
  A GUERRA
  A PRIMAVERA
  O PEQUENO PESCADOR
  VINGANÇA
  CORISCO
  EMBARQUE - A CASA - ESCONDIDO POR TRÁS DA BARBA
  Crônicas
  RIO DE JANEIRO OU FAIXA DA GAZA
  TIRIRICAS E BROMÉLIAS
  MANGAS-LARGAS DO RIO
  SERÁ RONALDINHO TAMBÉM
  BRASIL EM FESTA
  CENSURA E DEMOCRACIA
  EXCREMENTO ON-LINE
  OS NÔMADES E O SOBERANO
  OS IRMÃOS CEGOS
  A VIAGEM
  Pensamentos
  COISAS
  O CERTO E O DUVIDOSO
  VIDA
  INQUISIÇÃO PLANETÁRIA
  REFLEXÃO E DECISÃO
  ERAS
  PRINCÍPIOS
  COLHE-SE O QUE SE PLANTA
  PAI E FILHO
  A CASA
  A ÁRVORE E O MACHADO
  RUI, O GÊNIO.
  A CONSCIÊNCIA DO IMIGRANTE