Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

A DIMENSÃO QUE NÃO TERMINA

Um Preâmbulo Em Uberaba, centenária cidade do Triângulo, o primeiro número de Dimensão vinha a lume em Julho de 1980. “Uma simples revista de poesia”, escreveu então seu editor. O futuro se encarregaria de desmentir o título do primeiro editorial, porém se manteria constante através dos anos o propósito do novo periódico. “E´esse, apenas esse, o compromisso desta revista, mais uma entre tantas, mortas, existentes ou ainda por existir: efetivo compromisso com a qualidade da poesia”. O compromisso com a qualidade da poesia manteve-se durante os trinta números da publicação. Ao longo dos seus quase vinte e um anos de circulação (Julho de 1980 – Abril de 2001), é um marco de sua excelência. Outras balizas foram atingidas no curso do tempo, levando... (leia mais)

Aricy Curvello




Pedagogia do Amor

Vivemos uma época de calamitosa incerteza (Martin Luther King) A humanidade caminha de mãos dadas, rumo ao caos. Os valores se invertem, mergulhados nas valas da hipocrisia. O amor que sempre foi o marco da esperança, da fé, da solidariedade existencial, antes praticada olho no olho, hoje é substituído pela tela de um computador ou vídeo de um televisor, até mesmo pelo marketing do imediatismo. Uma espécie de ditadura da frieza. A família era mais unida. Hoje, vai se destruindo nos tentáculos de atividades objetivas, onde o casal, a cada dia, tem menos contato com os seus filhos. Tentar ser alguém no futuro era, sobretudo, motivo e instrumento de interesse pessoal. Ir à luta, era buscar garantir a possibilidade única de vencer e tornar-se... (leia mais)

Josias Alcântara




Default



   > Luiz C. Lessa Alves

  AUTOR  
 
Luiz C. Lessa Alves

  Poesias
  QUANDO EU ERA PEQUENO
  OCASO
  TIMIDEZ
  SEGURANÇA E PAZ
  O CASARÃO - MONÓLOGO
  LUAR NA PRAIA
  ANJO DA GUARDA
  A LUA E EU
  A COLCHA
  O GALHO E O PASSARINHO
  MEU CURIÓ
  SOLIDÃO OUTRA VEZ
  MEU BARQUINHO DE PAPEL
  FLAMENGO E A BOLA
  RODOVIAS DO BRASIL
  A CANETA
  OVELHAS FERIDAS
  NOITE DE NATAL
  RETIRANTES
  UM TOQUE UMA ESPERANÇA
  POR QUÊ
  PORTAS FECHADAS
  SEMEADURA
  SEM MOBÍLIA
  JOSÉ JOÃO E MARIA
  SILÊNCIO
  PEQUENO MUNDO
  O HOMEM
  O SÍTIO DO VOVÔ
  A CANOA E O NAVIO
  A FLOR E O FRUTO
  VÍCIOS DA MOCIDADE
  SONHO E DESILUSÃO
  ÂMBITO E RECINTO
  FUGA
  O MURCHAR DA FLOR
  SEM TINO
  MINHA CASA
  MULHER
  MINHAS PASTAS
  O COLIBRI
  RAZÃO E SENTIMENTO
  PAI E FILHO - PAÍSES E NAÇÕES
  ALEGRIA DE POBRE
  FÉRIAS NA BAHIA
  CASA SEM ALMA
  SEGREDO
  O TEMPO
  SOLIDÃO
  NOITE URBANA
  MEU MUNDO
  ANOITECER
  SER BRASILEIRO
  UM PÔR-DO-SOL NA BAHIA
  A NOITE EM GRUMARI
  SUBSTITUTO DO AMOR
  MARINHEIRO
  O ANIVERSÁRIO
  A ABELHA
  MINHA MONTANHA
  MEU SABIÁ
  TODOS INDEFINIDOS
  PAREDES
  Resenhas
  QUANTOS IDIOTAS HÁ NO BRASIL
  PAC
  A EXPULSÃO DE HERNANES
  Artigos
  O LIVRO
  Ensaios
  MENTIRAS DE PERNAS LONGAS
  SONHO PRECOCE - 2014 - MONÓLOGO
  FELIZ: SER OU NÃO SER
  Contos
  COLCHA DE RETALHOS
  A CASA DO VOVÔ
  PROFESSORA E ALUNO
  O HOMEM
  AQUELES DIAS
  SANSÃO
  NOMES APENAS NADA MAIS
  O VIAJANTE E AS PÉROLAS
  A GUERRA
  A PRIMAVERA
  O PEQUENO PESCADOR
  VINGANÇA
  CORISCO
  EMBARQUE - A CASA - ESCONDIDO POR TRÁS DA BARBA
  Crônicas
  RIO DE JANEIRO OU FAIXA DA GAZA
  TIRIRICAS E BROMÉLIAS
  MANGAS-LARGAS DO RIO
  SERÁ RONALDINHO TAMBÉM
  BRASIL EM FESTA
  CENSURA E DEMOCRACIA
  EXCREMENTO ON-LINE
  OS NÔMADES E O SOBERANO
  OS IRMÃOS CEGOS
  A VIAGEM
  Pensamentos
  COISAS
  O CERTO E O DUVIDOSO
  VIDA
  INQUISIÇÃO PLANETÁRIA
  REFLEXÃO E DECISÃO
  ERAS
  PRINCÍPIOS
  COLHE-SE O QUE SE PLANTA
  PAI E FILHO
  A CASA
  A ÁRVORE E O MACHADO
  RUI, O GÊNIO.
  A CONSCIÊNCIA DO IMIGRANTE