Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

O LEÃO E O BURRO

O velho e temido leão, Com uma fome danada, foi procurar o burrinho para uma bela caçada. E encontrando o animal, Que não era muito esperto, Combinou que ele seria De uma ramagem coberto. Tudo pronto, à caça foram. E o burrinho camuflado Tinha que urrar diferente Do que estava acostumado. O burro treinou bastante, Foi treinando mais e mais. Com seus urros bem estranhos Espantou os animais. As bestas apavoradas Saíram em disparada. E o leão se aproveitou Pra fazer sua caçada. Tendo feito várias presas, Exausto, foi descansar,. Então pediu ao asninho Que parasse de urrar. Aquele, já todo prosa, Perguntou para o leão: “E que tal a minha voz?... (leia mais)

GERALDO DE CASTRO PEREIRA




MORDAÇAS CULTURAIS?

“... A língua é minha pátria, e eu não tenho pátria, tenho mátria e quero frátria...” “Língua” Caetano Veloso “Vossa Mercedes aceita uma chávena de chá?” – tradução: “Cê qué um chá?” Pois é... Nossa belíssima Língua Portuguesa está sendo muito maltratada... Mas nos orgulhamos de nossa unicidade lingüística, apesar de nossos quase 8.600.000 Km². Oficialmente não há dialetos no Brasil. E nos orgulhamos disto. De uma mentira oficializada? De um massacre brutal, porém discreto? Que tenhamos apenas uma língua oficial em todo o território brasileiro é de se aceitar e de causar orgulho. Especialmente quando se vê a dificuldade de comunicação entre os habitantes de um país territorialmente tão... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Default



   > Jucélio João Teixeira

  AUTOR  
 
Jucélio João Teixeira

Jucélio Teixeira, deficiente visual, é casado, tem filhos maravilhosos, presentes de DEUS, como costuma afirmar. Aos dezenove anos, foi aprovado em concurso para a polícia militar do Estado de Santa Catarina. Depois de seis anos de trabalho, foi aposentado por invalidez por causa de uma doença degenerativa da retina chamada Ritinose Pigmentar. Passaram-se alguns meses e, em função de fatos que aconteceram, percebeu porque DEUS havia limitado sua visão física. Diante dos acontecimentos variados, cujas explicações não encontrava, foi buscar aprendizado em vários lugares sobre as vozes que ouvia. Em um dia de janeiro de 1991, teve a resposta que buscava. Em meio a uma luz natural, uma voz falou na madrugada, por volta das duas horas:- Não se assuste! Em um futuro próximo, depois de alguns aprendizados, você irá receber um trabalho que preencherá seus dias e ajudará no esclarecimento de muitas pessoas. Acordou no dia seguinte com a lembrança nítida do "sonho" e esta lembrança o acompanhou por dias seguidos. Certo dia, sentado à frente de seu computador, descobriu porque recebera aquela mensagem em forma de sonho: escreveria um livro e neste, contaria suas experiências com o além, mas não sabia como começar. Acordou, ainda sentado em frente ao seu computador, sentiu-se "acordar" depois de algumas horas escrevendo algo que de momento parecia-lhe muito estranho. Dali para frente, nas horas hoje determinadas por ele próprio, realiza os mesmos atos. Como escritor, também se tornou leitor dessas obras, pois entende que só toma conhecimento do seu conteúdo após o término do dia de trabalho. As histórias em forma de livro vão surgindo. O primeiro é este com o título PASSAGEM. Depois veio AVISOS EM SINAIS e, em seguida, APRENDENDO COM A FUGA, todos prontos para a publicação. Hoje escreve mais alguns que também serão lançados na continuação. Aqui conta a história de vida de um dos muitos Josés, ditado pelo espírito de JOSÉ PAZ.