Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

O que e como fazer para escrever bem

Uma das maiores preocupações que permeiam o âmbito escolar tem sido a produção de texto, em especial o dissertativo, por apresentar dificuldades no seu processo de elaboração e produção. Por ser um texto que procede de reflexões sobre determinado assunto, em que a opinião do locutor deve ser explicitada e, principalmente, acatada pelo interlocutor, exige-se maior rigor e complexidade nos mecanismos de produção. Quer dizer, ao comentar sobre determinado assunto tem-se a pretensão de atingir o outro, seja por convencimento ou por persuasão. Assim, torna-se fundamental se servir de uma linguagem elaborada, haja vista que para se obter adesão do interlocutor, o discurso deva... (leia mais)

Andreia Frederico Coutinho




MORDAÇAS CULTURAIS?

“... A língua é minha pátria, e eu não tenho pátria, tenho mátria e quero frátria...” “Língua” Caetano Veloso “Vossa Mercedes aceita uma chávena de chá?” – tradução: “Cê qué um chá?” Pois é... Nossa belíssima Língua Portuguesa está sendo muito maltratada... Mas nos orgulhamos de nossa unicidade lingüística, apesar de nossos quase 8.600.000 Km². Oficialmente não há dialetos no Brasil. E nos orgulhamos disto. De uma mentira oficializada? De um massacre brutal, porém discreto? Que tenhamos apenas uma língua oficial em todo o território brasileiro é de se aceitar e de causar orgulho. Especialmente quando se vê a dificuldade de comunicação entre os habitantes de um país territorialmente tão... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Default



   > Alva xavier

  AUTOR  
 
Alva xavier

Uma baiana apaixonada pela vida, poetisa, graduando em Comunicação Social Publicidade e Propaganda. Inconformada com a desigualdade social e a forma de governo no Brasil. Extremamente sincera. Amo profundamente, respeito absolutamente as pessoas e seu modo de pensar, acordo de madrugada para escrever, escrevo na fila do banco, dentro do ônibus e em qualquer lugar e em qualquer momento que a poesia vem. Acredito em sonhos. Mas quando sonho, acredito na vida, se estou aqui é para viver, cair, aprender, levantar e seguir em frente. Não me dôo pela metade, não sou tua meio amiga, nem teu quase Amor ou sou TUDO ou sou NADA. Não suporto meio termos. Sou inconstante e imprevisível. Não gosto de rotina. Eu amo de verdade aqueles pra quem eu digo isso e me irrito de forma inexplicável quando alguém duvida das minhas Palavras. Nem sempre coloco em prática aquilo que eu julgo certo, mas faço o melhor que posso. Não exijo que me entendam, nem que me aceitem. São poucas as pessoas para quem eu me explico. Palavras até me conquistam temporariamente, mas, atitudes me ganham ou me perdem PARA SEMPRE!