Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

Cãimbra do escrivão, a deficiência, o deficiente e a felicidade.

Como portadora da cãimbra do escrivão, entendo que, a partir do momento que compreendemos, mesmo que em linhas gerais, a natureza biológica do problema e a condição em que a Ciência se encontra diante dele, podemos nos posicionar com atitudes e pensamentos para descobrir formas de sermos felizes, o que, acredito, deveria ser o objetivo principal de cada ser humano. Para sermos felizes, precisamos ser produtivos, fazendo parte da sociedade de maneira contributiva. Li muitos trabalhos científicos até entender bem o que é esta condição e as escolhas que temos diante dela. Talvez por ser bióloga, percebi logo, um ano antes do meu diagnóstico, em meados de 2001, que não era um problema ortopédico. Fui direto a um neurologista, que me encaminhou para outro e para outro... (leia mais)

Maristela Zamoner




EMOÇÂO

Foi um dia de intensa emoção. Estava triste, sem saber o que fazer. Alguém aconselhou. “Quebra o bloqueio. Põe tudo que sente pra fora”. Depois do conselho, pensou. “Talvez escrevendo eu consiga. É isso. Ponho no papel. Assim não amolo ninguém”. Agora, sentada frente à máquina, não sabe como dar início. Como pôr pra fora o que sente? Não sabia... Passou a vida toda segurando suas emoções, só extravasadas em lágrimas, a única coisa que não sabia guardar. Uma simples vontade depois de um conselho. Conseguiria fazê-las saírem? Na verdade, não era uma simples vontade. Era uma profunda vontade. Pensou que talvez fosse mais feliz, mais liberta, se conseguisse algum dia, de alguma forma, “botar pra fora”, nem que fosse um pouquinho só, toda aquela emoção... (leia mais)

Isis Berlinck Renault




Default



   > Lucas Borba

  AUTOR  
 
Lucas Borba

Lucas Borba, 23 anos, nasceu em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. É deficiente visual desde o nascimento e aos 12 anos perdeu completamente a visão devido ao agravo de seu glaucoma. Ainda criança, alfabetizou-se no código Braile - escrita em alto-relevo - em um instituto especializado, aprendeu a usar a bengala - que dá ao cego independência em sua locomoção -, familiarizou-se com o computador por meio de leitores de tela e afirma que, no que depende dele, tem uma vida no mínimo natural; é claro, com simples adaptações aqui e ali. Graduando em jornalismo pela UCS (Universidade de Caxias do Sul), é apaixonado por cinema, arte sobre a qual escreve, bem como sobre literatura, para o site planocritico.com. Aos 21 anos, fez sua primeira e única publicação até então com o conto Fuga, pela Andross Editora, para a antologia Livre para Voar. Lucas mora em sua cidade natal com a mãe, em um condomínio da família.