Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

PRESIDENTE! O SONHO ACABOU...

Ele esfregou os olhos como criança. Piscou várias vezes. A penumbra da manhã impúbere digladiava contra a noite rebelde, envelhecida, teimosa. Ela sabia de sua derrota cotidiana, desistiu e se encolheu, aguardando escondida em conhecidos cantos inabitados. Conformada, sabia da vitória certeira contra a iluminação do dia que murcharia dentro de algumas horas. Ele voltou a esfregar os olhos remelentos, sentir o sonho recém apagado. A agenda do dia disparou assessores pelas quinas do palácio. Desde os primeiros dias de poder, não havia mais tempo para devaneios infantilóides e o sonho se dissipava no emaranhado confuso das marchas e contra-marchas, dos argumentos e contra-argumentos, das possibilidades e impossibilidades, todas ignoradas no longo, muito longo e mal feito... (leia mais)

Airo Zamoner




Mãe... nhe! Engoliram o papai!!

– Com Deus me deito, com Deus me levanto... “Eu SEI que é ele que está lá... Fica lá, só me olhando...” – Com a graça de Deus e do Divino Espírito Santo. “ Por que ele num vai embora?...” – Ave Maria cheia de graça... “Mamãe não tinha nada de mudar pra essa casa cheia de fantasmas... João fica dizendo que eu sou medroso, que fantasma não existe... Não existe uma ova... E aquele alí?” – O Senhor é convosco... “Como é que na outra casa eu não via nada? Essa casa é mal-assombrada, sim senhor... Ai, meu Deus, olha ele lá outra vez... Me olhando com aqueles olhos sem cara...” – Rogai por nós pecadores... “Vou tampar o rosto...” – Agora e na hora... “Tou escutando uns passos... É ele que... (leia mais)

Isis Berlinck Renault




Default



   > Lucas Borba

  AUTOR  
 
Lucas Borba

Lucas Borba, 23 anos, nasceu em Caxias do Sul, Rio Grande do Sul. É deficiente visual desde o nascimento e aos 12 anos perdeu completamente a visão devido ao agravo de seu glaucoma. Ainda criança, alfabetizou-se no código Braile - escrita em alto-relevo - em um instituto especializado, aprendeu a usar a bengala - que dá ao cego independência em sua locomoção -, familiarizou-se com o computador por meio de leitores de tela e afirma que, no que depende dele, tem uma vida no mínimo natural; é claro, com simples adaptações aqui e ali. Graduando em jornalismo pela UCS (Universidade de Caxias do Sul), é apaixonado por cinema, arte sobre a qual escreve, bem como sobre literatura, para o site planocritico.com. Aos 21 anos, fez sua primeira e única publicação até então com o conto Fuga, pela Andross Editora, para a antologia Livre para Voar. Lucas mora em sua cidade natal com a mãe, em um condomínio da família.