Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

SEMEADURA

Avistando um aglomerado de mercadores, um andarilho gritou, decidido: - Atenção! Fechem o caminho; vou passar! Surpreso ao sentir um toque em seu ombro, voltou-se e deparou com a razão: - Por que agiste desta forma? Não sabes que é preciso caminho aberto para seguir adiante? O andarilho, sentando-se sob gigantesca árvore de multividências, dirigiu-se à razão, num repente: - Pedi que fechassem o caminho para que minha loucura não fugisse... A razão, mais confusa que convencida, argumentou sem hesitar: - Não há coerência no que dizes. Explica-te ou afasta-te de mim! Cruzando os braços sobre os joelhos, o andarilho insistiu: - Não desejei que minha loucura partisse, por não querer viver comprometido com tua existência mascarada... A razão, indignada, protestou sem mais... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




“D” DE “DEUTSCHLAND”, POR QUE, ENTÃO, “ALEMANHA”???

Uma tradução de Tânia Gabrielli-Pohlmann “D” = “Deutschland”? Que coisa estranha! Quem fala português, diz “Alemanha”; em espanhol este país se chama “Alemaña”; aqueles que falam inglês, adotaram o termo “Germany” e quando se vai para o Leste Europeu, o “Schwabo” é que designa o cidadão alemão. Mas o que se vê nas placas de automóveis alemães é a letra “D” indicando “Deutschland”. Por quê? De onde vêm tantos termos diferentes para indicar um único país? A língua alemã e o povo alemão formaram-se, basicamente, através de diferentes grupos étnicos, tendo cada qual sua língua. A existência de registros escritos em língua alemã remonta ao Século VIII d.C.. A língua oficial era o latim, mas o povo se comunicava em seus... (leia mais)

Clemens Maria Pohlmann




Default



   > Guilherme Augusto Pereira de Queiroz

  AUTOR  
 
Guilherme Augusto Pereira de Queiroz

Nasci em agosto de 1951 na cidade de São Paulo. Vim morar em Curitiba no final dos anos 70, onde resido até hoje. Sou casado, tenho dois filhos e três netos. Estudei em duas faculdades: Medicina Veterinária - UFPR - e Administração de Empresas - FESP-PR. Acredito que tenho um espírito cristão e solidário, sendo minha religiosidade espiritualista. Atuei no movimento escoteiro por quase uma década. Fui professor de informática básica, tendo me especializado na educação de crianças e pessoal da terceira idade. Fui radialista, vendedor técnico de computador de grande porte, e gerente comercial e corretor de imóveis. Sou partidário convicto do bom humor e da amizade sincera. Sempre que aparece uma oportunidade, faço voluntariamente as performances de Coelho da Páscoa, Mickey, Papai Noel, etc. Agradeço os incentivos e colaboração dos amigos e familiares e, em especial, à minha irmã Noemia - autora do texto da primeira “orelha” - e à Emilia Rebonato - revisora integral do texto do livro.

 

Guilherme A. Pereira de Queiroz