Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

MORDAÇAS CULTURAIS?

“... A língua é minha pátria, e eu não tenho pátria, tenho mátria e quero frátria...” “Língua” Caetano Veloso “Vossa Mercedes aceita uma chávena de chá?” – tradução: “Cê qué um chá?” Pois é... Nossa belíssima Língua Portuguesa está sendo muito maltratada... Mas nos orgulhamos de nossa unicidade lingüística, apesar de nossos quase 8.600.000 Km². Oficialmente não há dialetos no Brasil. E nos orgulhamos disto. De uma mentira oficializada? De um massacre brutal, porém discreto? Que tenhamos apenas uma língua oficial em todo o território brasileiro é de se aceitar e de causar orgulho. Especialmente quando se vê a dificuldade de comunicação entre os habitantes de um país territorialmente tão... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




O que e como fazer para escrever bem

Uma das maiores preocupações que permeiam o âmbito escolar tem sido a produção de texto, em especial o dissertativo, por apresentar dificuldades no seu processo de elaboração e produção. Por ser um texto que procede de reflexões sobre determinado assunto, em que a opinião do locutor deve ser explicitada e, principalmente, acatada pelo interlocutor, exige-se maior rigor e complexidade nos mecanismos de produção. Quer dizer, ao comentar sobre determinado assunto tem-se a pretensão de atingir o outro, seja por convencimento ou por persuasão. Assim, torna-se fundamental se servir de uma linguagem elaborada, haja vista que para se obter adesão do interlocutor, o discurso deva... (leia mais)

Andreia Frederico Coutinho




Default



   > eleidimar reginaldo

  AUTOR  
 
eleidimar reginaldo

Libélula Vitória é o pseudônimo literário de Eleidimar Reginaldo. Nascida em Divino, Minas Gerais, no dia 09 de agosto de 1993, é filha caçula de Itamar Reginaldo e Denilda Domiciano de Abreu Reginaldo, ambos lavradores.  Apesar de ter nascido em Divino, a autora se criou em uma cidade vizinha, chamada Orizânia-MG.  Até os 17 anos estudou na Escola Municipal Dr. Xenofonte Mercadante, em Orizânia.

Em 2011, iniciou o curso de Geografia na Fundação FAFILE (Atual UEMG-campus Carangola) em Carangola e publica seu primeiro livro de poesias intitulado “Sonhos em Versos”. Na metade do curso foi internada acometida por uma depressão, tendo mais quatro internações.  Durante o período de internação conheceu Álvares de Azevedo, tornando, o mesmo, seu estro inspirador.

Em 2013, terminou o curso de Geografia, vindo a ingressar no Curso Técnico em Meio Ambiente do CEM (Centro Educacional de Manhuaçu) no ano seguinte, formando se em 2015. 

 

Em 2016, adicionará a seu currículo mais um curso.  A mesma estudará Engenharia Florestal na renomada UFV, Viçosa-MG.