Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

COLEÇÃO ARQUIVOS - TESOUROS ETERNOS DA LITERATURA IBERO-AMERICANA

Livros à mancheia têm-me chegado nestes últimos meses, levando-me a um profundo mergulho no tempo. A uma reflexão intensa sobre o quanto desconhecemo-nos, ainda que parte imensa nesta América, latina e de proporções gigantescas no tocante a problemas, sim, mas também no tocante à riqueza cultural. Muitas das edições que tenho recebido não são atuais, porém preciosas ao nosso processo de busca e de integração, no qual o fator cultural faz-se imprescindível. Sem conhecermos o passado, lutamos por uma identidade inexistente, segundo alguns autores especializados no estudo e na pesquisa do fenômeno cultural ibero-americano. E as novidades, às vezes antigas, nos impedem este retorno urgente à nossa formação, à nossa certeza de que somos dignos de respeito pela... (leia mais)

Tânia Gabrielli-Pohlmann




Vida vazia, vida marota!

Dr. Agildo caminhou vagarosamente até a enorme varanda. Saboreava os momentos do entardecer, um a um, como rotina para receber a noite implacável e então, recolher-se para o descanso. Desta vez, contudo, sentia-se diferente. Seus pensamentos esvoaçavam de um canto para outro da memória, contrariando seus comandos, inquietando seu espírito. Sentou-se na velha cadeira, admirando o extenso jardim. Os canteiros, emoldurando as divisas com suas cores imprevisíveis, tentavam suavizar seus sobressaltos. O ipê majestoso, que ele próprio plantara há tantos incontáveis anos, mantinha-se incólume a seus pensamentos. Parou seus olhos no aparente desordenado trabalho da velha árvore, largando o amarelo de pétalas a se desprenderem a cada instante, formando verdadeira alcativa.... (leia mais)

Airo Zamoner




Default



   > Marcial Salaverry

  AUTOR  
 
Marcial Salaverry
MARCIAL SALAVERRY Sempre fui leitor voraz. Desde pequeno, sempre gostei demais de boa leitura. Meus autores favoritos foram,  Monteiro Lobato, Karl May, Leandro Dupré, Júlio Verne, Victor Hugo.Escrevia algumas brincadeiras, mas nunca pensei em ser escritor.  Minha irmã era secretária de Monteiro Lobato, e certa vez mostrou um trabalho de redação que havia feito para a escola, e o Mestre comentou que eu poderia ainda vir a ser um escritor, pois tinha estilo. Nunca o levei a sério. Deveria ter levado, pois agora descobri o prazer de soltar o que tenho dentro da alma.Somente comecei a escrever alguma coisa para a Internet neste ano. Instado por algumas amigas, comecei a escrever  Aventuras na África, narrando episódios de minha vida no Congo, durante três anos que lá vivi. Como jamais havia pensado em escrever sobre isso, nada havia anotado. Foi um excelente trabalho de memória, para lembrar-me de certos detalhes.Descobri que ainda não estou senil, embora muita gente possa pensar o contrário.Posteriormente resolvi escrever crônicas tipo auto ajuda, e muita gente tem gostado.E agora, estou poetando. Parece que estão gostando. O que vocês acham?Alguns dados biográficos:Nasci em 11/12/1938 – Casei em 19/09/1959 – E agora sou um bisavô muito orgulhoso de seu bisneto.