Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

A DIMENSÃO QUE NÃO TERMINA

Um Preâmbulo Em Uberaba, centenária cidade do Triângulo, o primeiro número de Dimensão vinha a lume em Julho de 1980. “Uma simples revista de poesia”, escreveu então seu editor. O futuro se encarregaria de desmentir o título do primeiro editorial, porém se manteria constante através dos anos o propósito do novo periódico. “E´esse, apenas esse, o compromisso desta revista, mais uma entre tantas, mortas, existentes ou ainda por existir: efetivo compromisso com a qualidade da poesia”. O compromisso com a qualidade da poesia manteve-se durante os trinta números da publicação. Ao longo dos seus quase vinte e um anos de circulação (Julho de 1980 – Abril de 2001), é um marco de sua excelência. Outras balizas foram atingidas no curso do tempo, levando... (leia mais)

Aricy Curvello




Cãimbra do escrivão, a deficiência, o deficiente e a felicidade.

Como portadora da cãimbra do escrivão, entendo que, a partir do momento que compreendemos, mesmo que em linhas gerais, a natureza biológica do problema e a condição em que a Ciência se encontra diante dele, podemos nos posicionar com atitudes e pensamentos para descobrir formas de sermos felizes, o que, acredito, deveria ser o objetivo principal de cada ser humano. Para sermos felizes, precisamos ser produtivos, fazendo parte da sociedade de maneira contributiva. Li muitos trabalhos científicos até entender bem o que é esta condição e as escolhas que temos diante dela. Talvez por ser bióloga, percebi logo, um ano antes do meu diagnóstico, em meados de 2001, que não era um problema ortopédico. Fui direto a um neurologista, que me encaminhou para outro e para outro... (leia mais)

Maristela Zamoner




Default



   > Ana Flores

  AUTOR  
 
Ana Flores
Ana Flores é autora do livro "Corporco e outros contos", cronista dos jornais de bairro Guia Humaitá e Folha da Gávea, ambos do Rio de Janeiro.
É tradutora de contos do autor argentino Fernando Sorrentino, reunidos no livro "Para defender-se dos escorpiões e outros contos", além de "História de Maria Sapa", "A fortuna de Fortunato", "Quem se zanga, perde" e "Dom Osvaldinho", histórias infantis do mesmo autor.
Autora amplamente premiada destacam-se o primeiro lugar do Júri de Escritores com o conto "Óme? Nem morto!", em 2000, no concurso virtual Arremate o Conto; terceiro lugar no concurso de contos eróticos da revista Status, em 1978, com o conto "Consulta vai, consulta vem..." Autora do livro didático "Muito Prazer!", curso de português do Brasil para estrangeiros, 2 volumes e diversas outras publicações esparsas.

O que diz a crítica
"Acabo de ler ´Mordaça´. Comovi-me e li-o várias vezes. Pode-se perceber a bagagem para dizer tanto com tão poucas palavras. Gostei muito." - Rafael Moncada, escritor colombiano.

"Ana Flores é uma contista plena. Com total domínio da narrativa, faz tão bem o micro e o miniconto - espécie moderna e difícil do gênero - como o conto maior, diálogos realistas, ou até mesmo o conto de realismo mágico. Além de tudo, é uma escritora com estilo e personalidade." - Cairo de Assis Trindade, poeta e consultor literário.

"O conto ´Corporco´ é de excelente qualidade literária. Fiquei muito tocada. Fazia tempo que eu não lia algo tão bom na Internet." -Fernanda Villas Bôas, jornalista.

"Gostei muito de toda a produção literária deste livro. Nunca tinha ouvido falar de microcontos e não esperava que fossem tão curtos. Acho que, com eles, Ana Flores alcançou o domínio da palavra de um poeta. São enxutos e completos. Gostei mesmo." Milvia Albuquerque - professora