Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

EMOÇÂO

Foi um dia de intensa emoção. Estava triste, sem saber o que fazer. Alguém aconselhou. “Quebra o bloqueio. Põe tudo que sente pra fora”. Depois do conselho, pensou. “Talvez escrevendo eu consiga. É isso. Ponho no papel. Assim não amolo ninguém”. Agora, sentada frente à máquina, não sabe como dar início. Como pôr pra fora o que sente? Não sabia... Passou a vida toda segurando suas emoções, só extravasadas em lágrimas, a única coisa que não sabia guardar. Uma simples vontade depois de um conselho. Conseguiria fazê-las saírem? Na verdade, não era uma simples vontade. Era uma profunda vontade. Pensou que talvez fosse mais feliz, mais liberta, se conseguisse algum dia, de alguma forma, “botar pra fora”, nem que fosse um pouquinho só, toda aquela emoção... (leia mais)

Isis Berlinck Renault




“D” DE “DEUTSCHLAND”, POR QUE, ENTÃO, “ALEMANHA”???

Uma tradução de Tânia Gabrielli-Pohlmann “D” = “Deutschland”? Que coisa estranha! Quem fala português, diz “Alemanha”; em espanhol este país se chama “Alemaña”; aqueles que falam inglês, adotaram o termo “Germany” e quando se vai para o Leste Europeu, o “Schwabo” é que designa o cidadão alemão. Mas o que se vê nas placas de automóveis alemães é a letra “D” indicando “Deutschland”. Por quê? De onde vêm tantos termos diferentes para indicar um único país? A língua alemã e o povo alemão formaram-se, basicamente, através de diferentes grupos étnicos, tendo cada qual sua língua. A existência de registros escritos em língua alemã remonta ao Século VIII d.C.. A língua oficial era o latim, mas o povo se comunicava em seus... (leia mais)

Clemens Maria Pohlmann




Default



   > Ana Maria Silva Lopez

  AUTOR  
 
Ana Maria Silva Lopez

Ana Maria de Jesus e Silva

Nascida em família de classe media, mas aos nove meses de idade seus pais se mudaram para Curitiba-PR, onde a situação financeira mudou drasticamente, tendo uma infância e adolescência difícil. De seis para sete anos foi internada em colégio interno “Instituto Nossa Senhora das Mercês” na mesma cidade, onde a então Superiora assumiu compromisso de mantê-la, ali entre outras atividades, cantou em coral da Igreja e era dançarina, tendo apresentado bailados de dança flamenca, frevo e outros em palcos diversos escolhidos para eventos proporcionados pela instituição.  Ali teve uma educação rígida de internato, mas compensador em questão de aprendizagem. Saiu do sistema de internato na pré-adolescência, estudando em várias Escolas e Supletivos, tendo concluído Nível Superior, “Licenciatura Plena em Química” e especialização em “Gestão de Sistemas Educacional” já adulta. Ingressando na Academia de Letras do Brasil Municipal de Rorainópolis-RR em 2011.

Espírito aventureiro e questionável a padrões e dogmas, tendo muitos conflitos existenciais. Eclética em praticamente tudo que existe, ou seja, musical, existencial ou espiritual, acreditando, mas questionando.

Em 1996 sai do Paraná e migra para a maior floresta densa do planeta estabelecendo-se em Roraima onde teve contato real com a natureza e realidades até então desconhecida, ali fluiu a essência do bem e do mal, vida, natureza, afetividade, solidariedade, relacionamentos, política, superação de fobias e medos.

 

Sempre teve hábito de escrever e ler, mantendo alguns diários. Em 2011 enviou sua primeira obra “Roubaram meu fusquinha, verde, amarelo ou vermelho”, um Conto baseado em fato real ao “Projeto Lume” da “Editora Protexto”, sendo aprovado em janeiro de 2012, e publicado no mesmo ano, descobrindo então sua aptidão e colocando em prática seu desejo em mostrar ao mundo o que a vida lhe ensinou, como também histórias resgatadas de fatos reais.