Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto

A terceira intenção

Tenho vontade de parar. Descansar. Interromper essa andança sem tréguas. Já trilhei à beça. Já corri, já tremi, já sofri, já ri também à beça. Já fiz troça, já respeitei, já ofendi, já obedeci, já liderei, já escrevi outra vez à beça. Já pensei que transformaria esse mundo dos homens, mas descobri que o mundo é das mulheres. Tenho vontade de parar, sim. Mas não posso! Não posso interromper essa caminhada. Tenho que trilhar mais um tanto, correr, tremer, sofrer, rir, respeitar, ofender, obedecer, liderar, escrever, transformar outro tanto, outro inútil tanto. Nasci nos estertores da segunda guerra do mundo, no limiar da paz. No vestibular da maturidade, carreguei uma pistola na cinta, pilotei um tanque de guerra, atirei com uma ponto-trinta. Joguei granadas... (leia mais)

Airo Zamoner




Pedagogia do Amor

Vivemos uma época de calamitosa incerteza (Martin Luther King) A humanidade caminha de mãos dadas, rumo ao caos. Os valores se invertem, mergulhados nas valas da hipocrisia. O amor que sempre foi o marco da esperança, da fé, da solidariedade existencial, antes praticada olho no olho, hoje é substituído pela tela de um computador ou vídeo de um televisor, até mesmo pelo marketing do imediatismo. Uma espécie de ditadura da frieza. A família era mais unida. Hoje, vai se destruindo nos tentáculos de atividades objetivas, onde o casal, a cada dia, tem menos contato com os seus filhos. Tentar ser alguém no futuro era, sobretudo, motivo e instrumento de interesse pessoal. Ir à luta, era buscar garantir a possibilidade única de vencer e tornar-se... (leia mais)

Josias Alcântara




Default



   > Andre Luiz Augusto da Silva

  AUTOR  
 
Andre Luiz Augusto da Silva

 

André Luiz Augusto da Silva, nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais em 28 de Novembro de 1985.

Um escritor que se dirige a um contexto único e ao mesmo tempo diversificado com seu modo de olhar para o mundo. Seus textos se dirigem ao conteúdo ímpido e feroz dos sentimentos e emoções sentidas pelo homem em sua vida moderna, seus medos, suas vontades e seu próprio e delicado conteúdo vital.

Em textos publicados manualmente trazem controvérsias entre os leitores, pois tenta de certa forma relatar um cotidiano eficaz e vazio aos prazeres da vida. Sua história única de forte influência em vida de seus familiares e amigos trazem surpresas e a vontade de expor para fora o que sentimentos em palavras pausadas, para que possamos sentir o que esta de certa forma guardado em nossos conceitos.

Em seu primeiro texto relata uma forma única de demonstração e irritação ao contexto da vida, demonstrando que somos importantes e muita das vezes não enxergamos tal coisa.

Um pequenino texto atraente para quem se sente vago e um pouco perdido, entretanto se trata do início do nada em nossas vidas.

 

André Luiz 17/10/11