Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Alerta das Estrelas
Francisco Ederaldo...
R$ 77,70
(A Vista)



R$ 46,40
(A Vista)






   > CARDÁPIO DE GARIMPEIRO



Airo Zamoner
      CRôNICAS

CARDÁPIO DE GARIMPEIRO

– Por que esta cara de preocupado?
– Ora essa! Você não desconfia?
– Nem um pouco! Qual é, cara?
– É que...
– Desembucha de uma vez... O que houve?
– É que está chegando o momento de nos travestirmos outra vez de garimpeiros. E isto sempre me preocupa.
– Por quê?
– Nunca encontramos a pepita certa!
– Tenho que ser repetitivo. Por quê?
– Ora! Porque, ou estão muito escondidas, ou não existem.
– Se não existem, nós fazemos o papel de idiotas...
– Agora você está entendendo minha preocupação.
– Talvez devêssemos usar uma lanterna...
– Em pleno dia?
– Sim. Por que não?
– Imitar Diógenes? De jeito nenhum!
– De que ferramentas dispomos, então?
– Deixe ver... serra...
– É! Pode servir pra alguma coisa... Mas, vamos ter que serrar pedras...
– É elétrica? Eu não ando com muita resistência pra fazer força...
– Se não for elétrica, a gente pega o primeiro garotinho que passar. Geralmente eles são malhados e podem servir...
– Pode dar cadeia...
– Como assim?
– Trabalho escravo e ainda infantil...
– É mesmo! Que mais temos?
– Bem, pode ser que na hora da garimpagem surjam nuvens brancas, tênues...
– Cirros? Sim, pode ser. Em formato de gomos?
– E interessa o formato, ora essa!
– Não!
– Além do mais precisamos de ferramentas...
– É verdade! O que interessa é outra coisa!
– Será que Diógenes tinha razão?
– Sobre o quê?
– Procurar os honestos com lanterna em pleno dia?
– É melhor voltarmos para as pepitas...
– Bem já temos alguma coisa: serra, cirros...
– Alguém pra manobrar a serra...
– Só ser for adulto. Não quero saber de cadeia!
– É mesmo! Agora estou como você... Que saco!
– Preocupado, não é?
– Não quero mais pensar nisso!
– Mas vamos ter que enfrentar... Tá chegando a hora!
– Preocupação me dá fome...
– O que temos pro almoço?
– Almoço? Não tenho boas notícias...
– Não vai dizer que é risoto de lula outra vez!


Airo Zamoner é escritor
airo@cepede.com.br


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui