Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (650)  
  Poesias (2519)  
  Resenhas (130)  

 
 
Objetos-02-126
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)






   > Refugiados éticos: discurso, solução ou ilusão?



Marlos Mello
      ARTIGOS

Refugiados éticos: discurso, solução ou ilusão?

Em um primeiro momento, queremos esclarecer que nosso objetivo não é demarcar quando se deve usar o termo nacionalismo ou patriotismo, mas sim clarificar a atuação desses termos de acordo com o cotidiano das pessoas. Para isso precisamos imergir na natureza desses conceitos e compreender que não há um sem outro, ou seja, não há nacionalismo sem patriotismo e vice-versa. Considero a aceitação dessa relação a “chave” para entendimento desse texto.

Didaticamente separamos esse texto da seguinte maneira: primeiro debateremos de forma breve o conceito de patriotismo e nacionalismo, depois apresentaremos o exemplo dos “refugiados éticos” e ao final relacionaremos um com o outro.
           
Os termos, nacionalismo e patriotismo, são vistos pela literatura, na maioria das vezes, separados. Considerando nacionalismo ligado e conduzido por uma ideologia, sendo definido como pressuposto, geralmente, há um acontecimento histórico, especialmente, por ocasião das lutas de emancipação política ou econômica.  Já o patriotismo é visto como um estado de ser e viver, ou seja, desde o cumprimento das leis e deveres cívicos até a solidariedade com os seus.
           
Outros autores percebem o nacionalismo como uma vertente do radicalismo que assola uma verdade e, de certa forma, impede o crescimento de uma nação ou sociedade. Entretanto, precisamos ter calma quando nos deparamos com essas afirmações, pois nem sempre podemos levar ao pé da letra esses julgamentos, na verdade, precisamos olhar criticamente o contexto onde são referendados, por exemplo, os “refugiados éticos” que citaremos abaixo.
           
A denominação “refugiados éticos” foi adaptada pelo apresentador Luciano Pires, no programa de rádio “Café Brasil” (), às pessoas que optaram tentar a vida em outros paises porque perderam a crença e a confiança no Brasil. Luciano Pires, acredita que “os acontecimentos políticos  e o comportamento amoral de nossos dirigentes contribui para converter mais alguns milhões de brasileiros – que ainda tem alguma esperança – em céticos que não acreditam em mais nada. E que são tão perigosos quanto os que acreditam em tudo”. (afirmações durante o programa)

Nosso apresentador se baseia em uma possível carta que recebeu de um ouvinte que diz o seguinte: “Estou pensando seriamente em pedir outra nacionalidade, depois do Renan, e de ouvir do teu presidente mais de uma vez que ninguém tem mais identidade moral no país que ele e o PT. Se este é o parâmetro, e como me considero diferente deles, resta-me apenas achar um país onde a ética não tenha sido afrontada como o foi no Brasil e pedir humildemente que me aceitem como refugiado ético”.           

Chegando ao final do programa, Luciano Pires, afirma “Mas uma coisa me incomoda, sabe? Não posso imaginar nada mais triste do que um país que produz “refugiados éticos”. Gente que não foge da guerra, não foge da fome, não foge da perseguição política, não foge de pestes nem de desastres naturais. Foge de uma miséria que a maioria nem percebe que existe".

Uma pessoa que opta por morar em outro país, não necessariamente, está refugiando-se, no entanto o contexto apresentado por Luciano Pires denota uma situação que fica muito difícil acreditarmos que, realmente, não seja como ele afirma, pois como na carta enviada pelo ouvinte, este se diz indignado com a situação política do Brasil e, por isso, tentará um “refúgio” em outro país, mas não há outro motivo, a não ser o patriótico?

De fato, a questão nacionalista e patriótica encontra-se implícita nas palavras do apresentador que julga, com base em algumas cartas, a razão e o motivo de algumas pessoas deixarem o país.  O contexto apresentado por Luciano Pires, talvez, caracterize-se pela “vitória” daqueles em outros paises conseguiram colocações melhores em nível de status social e, por isso, não pensam em voltar para o Brasil, mas será assim com todos os brasileiros?

Não cabe a nós julgarmos as afirmações do apresentador, o que estamos tentando fazer é problematizar as questões colocadas por ele. Dessa forma, através de uma análise crítica é possível vislumbrarmos claramente os objetivos de Luciano Pires e do conteúdo do programa apresentado por ele.

Finalizando, devemos ter claro que não são os conceitos de patriotismo e nacionalismo que irão mudar o modo de pensar e agir das pessoas, na verdade, a valoração dessas palavras encontra-se implicado no sentimento e no significado escolhido por elas. Dessa forma, é importante atenção quando lemos ou ouvimos discursos “recheados” de patriotismo e nacionalismo.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui