Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2508)  
  Resenhas (129)  

 
 
Entardecer em Porto...
Ingrid Regina...
R$ 66,42
(A Vista)



A arte de escrever,...
Airo Zamoner
R$ 49,80
(A Vista)






   > A RAPOSA E A C EGONHA



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

A RAPOSA E A C EGONHA



       


             
                            
 
 
 
 A  RAPOSA  E  A  CEGONHA
 
  Certa vez, uma raposa,
 Muito, muito sem vergonha,
 Convidou para um jantar
 A sua amiga cegonha.
 
 A cegonha agradeceu-lhe
 O convite de bom grado.
 E voou toda contente
 Para o almoço marcado.
 
 Mas, quando chegou à casa
 Da raposa desalmada,
 Viu que a comida era líquida
 Numa pedra derramada.
 
Bicou, bicou muitas vezes:
Nenhum sucesso logrou.
Aborrecida e faminta,
ao seu ninho retornou.
 
A cegonha, injuriada, 
Pensando numa vingança,
Retribuiu o convite
Para uma comilança.
 
Dona raposa, gulosa,
O convite aceitou.
Para a casa da cegonha
Depressa pra lá rumou.
 
Qual não foi sua surpresa,
Depois de tão grande estafa:
O alimento todo estava
Picado numa garrafa.
 
A cegonha se fartou
Com tão gostosa comida,
Introduzindo seu bico
Naquela garrafa comprida.
 
Para a raposa famélica
Só restou ficar olhando
Ou lambendo a garrafa
Por fora e só lamentando.
 
Como moral desta fábula
Só tenho a acrescentar:
“Quem é nocivo aos outros,
Algum dia irá pagar”.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui