Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
O testamento vital no...
Isabela Maria Marques...
R$ 30,80
(A Vista)



O PREGADOR
REGIS MEIRELES
R$ 37,30
(A Vista)






   > A RAPOSA E A C EGONHA



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

A RAPOSA E A C EGONHA



       


             
                            
 
 
 
 A  RAPOSA  E  A  CEGONHA
 
  Certa vez, uma raposa,
 Muito, muito sem vergonha,
 Convidou para um jantar
 A sua amiga cegonha.
 
 A cegonha agradeceu-lhe
 O convite de bom grado.
 E voou toda contente
 Para o almoço marcado.
 
 Mas, quando chegou à casa
 Da raposa desalmada,
 Viu que a comida era líquida
 Numa pedra derramada.
 
Bicou, bicou muitas vezes:
Nenhum sucesso logrou.
Aborrecida e faminta,
ao seu ninho retornou.
 
A cegonha, injuriada, 
Pensando numa vingança,
Retribuiu o convite
Para uma comilança.
 
Dona raposa, gulosa,
O convite aceitou.
Para a casa da cegonha
Depressa pra lá rumou.
 
Qual não foi sua surpresa,
Depois de tão grande estafa:
O alimento todo estava
Picado numa garrafa.
 
A cegonha se fartou
Com tão gostosa comida,
Introduzindo seu bico
Naquela garrafa comprida.
 
Para a raposa famélica
Só restou ficar olhando
Ou lambendo a garrafa
Por fora e só lamentando.
 
Como moral desta fábula
Só tenho a acrescentar:
“Quem é nocivo aos outros,
Algum dia irá pagar”.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui