Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Paisagens-03-054
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Geométricas-01-025
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > ESCOBAR FRANELAS BRINCANDO COM A LUCIDEZ



Tânia Gabrielli-Pohlmann
      ENTREVISTAS

ESCOBAR FRANELAS BRINCANDO COM A LUCIDEZ


Escobar Franelas não perdoa os detalhes que escapam dos olhos cotidianos de Sampa. Sua linguagem é pictórica, ácida, enxuta; estilo que se foi enraizando desde a adolescência e que agora vem à tona sem piedades da mesmice.

Este videomaker paulistano de 34 anos já peregrinou por algumas coletâneas e antologias antes de publicar, em 1998, seu primeiro livro – hardrockcoreNroll (Scortecci Editora). A obra foi dividida em três partes – “alquimia”, “catraia” e “haicaos” (sic), totalizando 77 poemas que escandalizam a expectativa de formas já conhecidas e reverenciadas, surpreendendo caminhos semânticos e sonoros, mesclando sentimentos mais que atrevidos e coerentes.

TGP: Escobar, "hardrockcoreNroll" foi seu début. E você diz ter sido uma tentativa de brincar com a lucidez. Como é que você classifica esta tentativa?

EF: Eu tinha em mente tentar elucidar três situações que se me apresentavam. Uma, a tentativa de trazer a linguagem da rua para o universo poético, o culto da oralidade, essas coisas. Mas sem estereótipos. Usei isso até numa epígrafe, em que fiz uma citação do João Antônio, que considero ótimo contista, numa entrevista com o Darcy Ribeiro. A segunda manifestação crônica em meu trabalho foi a influência clara da música no meu processo de composição (e também das artes plásticas). Por último, outro dado que influenciou muito na concepção de "hardrockcoreNroll" foi a tentativa de nunca repetir fórmulas convencionadas das escolas literárias, principalmente.

FTGP: Você consegue trazer não apenas a linguagem musical ao seu trabalho; a imagem fragmentada e recolhida pela sensibilidade visual de um videomaker é clara nesta sua obra. Fale um pouco a respeito...

EF: O Videomaker é um cineasta. Ele trabalha a idéia, a imagem, a linearidade, o sentido, enfim... Seu escopo, contudo, é fundamentado no chão, no mundo real. Acho natural que "hardrockcoreNroll" tenha seguido essa trilha, pois essa foi a minha formação artística, cultural e histórica.

TGP: Você já está com mais um livro pronto, o “pois é a”, também de poesia. Fale a respeito do curso lingüístico deste livro.

EF: “pois é a”, na verdade, continua a minha busca pela ruptura, por novos signos (semânticos ou não), que tento criar, moldar e associar dentro de minha verve poética.

TGP: Mas “pois é a” vai esperar um pouco. Antes parece-me que haverá uma incursão pelo universo ficcional. Quando é que “Jardim das Delícias” vai para o prelo?

EF: O “Jardim das Delícias” é minha primeira incursão pelo mundo da prosa. E a ficção tem sido um desafio. Há muitas idas e vindas no processo e eu não sei precisar quando terá uma forma definitiva. Se é que vai ter... O mais certo é acreditar que realmente “pois é a” tem mais chances de vir à luz, pelo menos neste momento.

TGP: Mas “Jardim das Delícias” é o quê? Um romance, um mosaico?

EF: O mais certo é dizer que são notas esparsas – contos e crônicas aleatórios – que se pretendem dar uma idéia de romance no final. Quer dizer, serão em torno de 22 capítulos (até agora são 19), que poderão ser lidos e entendidos em separado. Ou então, se lidos dentro de um contexto, poderão ser entendidos como uma obra única, com início, meio e fim.

TGP: Uma obra de impacto, parece... Você fala deste projeto com uma convicção contagiante...

EF: Estou lutando pra fazer um bom trabalho, que não traia nem a mim nem aos meus leitores.

TGP: Para você, qual o papel social do artista, em especial do escritor, quando se pensa no índice de analfabetismo de nosso país?

EF: O escritor é sempre um transgressor. O artista, de um modo geral. Eu me cobro no sentido de duvidar sempre. Nesse aspecto, o cidadão contrapõe-se ao dito artista. Os números e as estatísticas são formas redondas e absolutas que eu, como cidadão, não ouso discordar. Agora, o artista... este adjetiva mais, filosofa mais, pormenoriza muito mais...

Poemas de Escobar Franelas, extraídos de hardrockcoreNroll:


introdução



o poema

:

relax
e
sinta
xe




amor encanto êxtase


vibra o verbo no anverso
desta página

ó infinita finitude de sempre

silêncio




dos símios



computador
o mico chega à sala de estar



as asas



Era mágico
Pequeno espetáculo de
Luzes túrgidas
Indo de Florença a Dresden

O coração não mente
Ainda atado
Às divagações temporãs
Da tensão lapidada
Nesse diário desnecessário


Contatos com Escobar Franelas: efranelas@hotmail.com

_______________________________________________

Tânia Gabrielli-Pohlmann é escritora, tradutora paulistana, radicada na Alemanha, onde produz e apresenta dois programas de rádio, dedicados à história, à cultura e à música brasileira: “Brasil com S” e “Revista Viva” (com Clemens Pohlmann)
Contatos: a-casa-dos-taurinos@osnanet.de






CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui