Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Ensaios - Filosofia...
Maicon Martta
R$ 36,90
(A Vista)



CICLO
Airo Zamoner
R$ 17,80
(A Vista)






   > IMUNDO



Gilmacedo
      POESIAS

IMUNDO


O choro
do arroio
que corre
e rompe
a mata
e morre
no comboio
de cidades que o mata.
É um coro
sem vida.
É um som que convida
os homens para um enterro.
É a Natureza,
já com odor de erro,
no curso de um rio,
que com certeza
não lambe
a simbiose
entre o trio:
flora;
homem;
fauna.
Esta será a biose,
que alcançará num cemitério
deste mundo burro,
o Homo Sapiens
do futuro.
Sendo observado numa tarde pletora,
num ambiente espúrio,
quente como sauna;
por um Homo Sabiens,
orando ao pé de um totem.
Sem mistério
- foi construído pelo último homem turro,
num horto,
que arde como necrotério;
por ele já estar morto.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui