Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Sexo e Dança de Salão
Maristela Zamoner
R$ 41,90
(A Vista)



Passagens-01-007
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > O NABA



Djalma Miranda dos Santos
      CRôNICAS

O NABA

             CRÔNICA     “O NABA” 
Precisava ir a Santa Catarina para saber o significado da palavra Naba.
         Jamais havia ouvido o termo Naba e eis que na casa do Vardinho, na praia do Sol, 8 km de Laguna-SC, conheci o dito Vardinho, que entre uma conversa e outra usava o adjetivo para premiar uma ou outra pessoa de seu relacionamento, dizendo que aquela pessoa sim “era um Naba”.
Ouvindo as suas estórias, narrativas compridas e cheias de detalhes, pude aos poucos ir assimilando o seu palavreado e aprendendo com o mestre Vardinho, apelido de infância, (pois na verdade ele se chama Walter), muitas coisas interessantes, bem como fatos ocorridos nos seus 26 anos como motorista da Empresa Santo Anjo, fazendo o trajeto Florianópolis - Porto Alegre e vice-versa.
Quanta estória meu Deus, que riqueza de detalhes, boa memória, assim o meu ilustre personagem ia discorrendo suas aventuras e desventuras ao transportar passageiros. Uma das estórias falava de uma mulher que tomou o ônibus em Floripa, com destino a Porto Alegre e desceu 30km depois, quando um carro já esperava por ela, lhe pedindo para dizer, caso o marido o indagasse, que a mesma tinha descido em Porto Alegre. Romance à vista.
         Foi muito bom o convívio nesses dias com os Westrup-Hoepers.  
Fiz dois cursos de “como partir melancia em 2 minutos” e também “como pescar de pandorga”, experiência inédita lá pras bandas das Minas Gerais, pois se contar, ninguém acredita. Pra quem não sabe, a pandorga é um papagaio gigante, que puxa a rede de pesca para o mar, impulsionada pelo vento.  Continuando, fomos (eu e Rosa) muito bem tratados pelo casal Vardinho e Dete, ela nos deliciando com suas comidas típicas, gemada na rosca, pão caseiro, fatias douradas, pirão de peixe e outras iguarias; ele com seus “causos”, pescarias e cursos.
Registro aqui os nossos sinceros agradecimentos.
         Mas, voltando ao adjetivo Naba, segundo a Rosa, o termo pode ser entendido em dois sentidos:
 
1)   O “Naba Bom”, que é aquele indivíduo que sabe se virar, sair  bem de cada situação, só faz o melhor pra todos, está mais interessado em agradar e servir, um otimista declarado, sempre alegre e divertido.  Assim tipo o Márcio,que foi o nosso companheiro em toda a viagem, nos levando nos lugares em Floripa, tomando chuva pra nos acompanhar, sempre alegre e solicito. Desta forma o nomeei “um Naba Legítimo”.
 
2) O “Naba Ruim” – individuo chato, sem desconfiômetro, só faz kaka, sem diplomacia, trata mal aos semelhantes, incapaz de um gesto nobre e por aí vai.  Esse elemento não faz parte de nosso grupo de amigos.
                   
         A Rosa, por exemplo, pode ser considerada uma “Naba”, pelo seu carisma, pelo seu jeitão expansivo, sua alegria, sua vivacidade, sua maneira de encarar a vida, sua solidariedade, seu companheirismo com os amigos, porém uma “NABA” DA MELHOR QUALIDADE!   
 
                   DJ/Curitiba 13/01/07.
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui