Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Geométricas-01-025
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Cidades-02-189
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > O CURIANGO E O URUTAU



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

O CURIANGO E O URUTAU

 
Certa vez, um curiango,
Para assistir a uma festa,
Foi pedir um paletó
Ao urutau na floresta.
 
Pediu tanto o curiango,
Pediu tanto e até chorou
Que o  urutau ,compassivo,
De tanto dó lhe emprestou.
 
Ostentando a roupa nova,
Chegou ,garboso e contente,
Àquela festa  famosa,
Esnobando toda a gente.
 
Mas, terminado o pagode,
O curiango safado
Nunca mais quis devolver
O paletó emprestado.
 
Por isso é que o urutau
Nas noites de lua, em ais,
Canta, sempre, lamentando:
¨”¨foi, foi, foi, não voltou mais!”
 
E o curiango, de longe,
Que do paletó gozou,
Num tom assim zombeteiro,
Responde: “amanhã eu vou”¨.
 
Quanta gente neste mundo,
Num gesto vil, desleal,
Ao receber uma dádiva,
Retribui o bem com o mal.
 
N.A. : - esta  "estória" foi contada pela minha mãe, quando morávamos na fazenda.Eu ainda era criança.  Curiango é uma espécie de coruja que vive à beira das estradas (também conhecido por "bacurau"),  e seu canto imita a expressão:"amanhã eu vou". Já o urutau  é também uma ave noturna (chamada de "mãe da lua") , cujo canto lembra a frase;" foi,foi,foi, não voltou mais". Daí construí o jocoso poema. 

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui