Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (655)  
  Contos (940)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2508)  
  Resenhas (129)  

 
 
R$ 25,00
(A Vista)



A arte de escrever,...
Airo Zamoner
R$ 49,80
(A Vista)






   > O CURIANGO E O URUTAU



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

O CURIANGO E O URUTAU

 
Certa vez, um curiango,
Para assistir a uma festa,
Foi pedir um paletó
Ao urutau na floresta.
 
Pediu tanto o curiango,
Pediu tanto e até chorou
Que o  urutau ,compassivo,
De tanto dó lhe emprestou.
 
Ostentando a roupa nova,
Chegou ,garboso e contente,
Àquela festa  famosa,
Esnobando toda a gente.
 
Mas, terminado o pagode,
O curiango safado
Nunca mais quis devolver
O paletó emprestado.
 
Por isso é que o urutau
Nas noites de lua, em ais,
Canta, sempre, lamentando:
¨”¨foi, foi, foi, não voltou mais!”
 
E o curiango, de longe,
Que do paletó gozou,
Num tom assim zombeteiro,
Responde: “amanhã eu vou”¨.
 
Quanta gente neste mundo,
Num gesto vil, desleal,
Ao receber uma dádiva,
Retribui o bem com o mal.
 
N.A. : - esta  "estória" foi contada pela minha mãe, quando morávamos na fazenda.Eu ainda era criança.  Curiango é uma espécie de coruja que vive à beira das estradas (também conhecido por "bacurau"),  e seu canto imita a expressão:"amanhã eu vou". Já o urutau  é também uma ave noturna (chamada de "mãe da lua") , cujo canto lembra a frase;" foi,foi,foi, não voltou mais". Daí construí o jocoso poema. 

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui