Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Biologia Ambiental
Maristela Zamoner
R$ 97,80
(A Vista)



Preto no Branco - Verso...
Levi Lima de Oliveira
R$ 44,50
(A Vista)






   > ORQUESTRA NA LAGOA



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

ORQUESTRA NA LAGOA

 
Mão invisível apagou a luz do dia
E ajudou a noite a se vestir de gala
Para assistir à orquestra animada
De sapos, grilos e gafanhotos da floresta
No teatro encantado da lagoa em festa.
 
Os peixes em cardumes,
Encharcados de perfumes,
Também compareceram:
Eram lambaris, acarás,
Traíras, piranhas cheias de manha,
Piavas, jundiás,
Mussuns de longa trança,
Bagres, tainhas, pacus  
Tucunarés, cascudos,
Surubins, curimbatãs,
Mandis, piaus, tilápias, jaús
e tantas outras espécies
Que me não vêm agora à lembrança.
 
Até dona Saracura,
De mão na cintura,
Também se apresentou.
Ia aos pinotes
Contando para toda a gente
Que, ao buscar água na enchente,
Quebrou três potes, quebrou, quebrou três potes.
 
Todos entraram no Teatro de Cristal.
Já estava pronta a orquestra musical.
Em ordem estavam os instrumentos.
Dona Perereca, pererecando alegremente,
Foi avisando a toda a gente
Que já ia começar o festival.
No Teatro Encantado de Cristal.
O maestro Cururu,
Velho, calvo e já sem dentes,
Deu ordem para a orquestra começar.
 
Eram sonidos estrídulos e finos,
De flautas, flautins e violinos,
Executados pelos grilos do banhado.
Fortemente ressoou o contrabaixo
Do sapo-boi.
O maestro, apressado,
Foi dizer-lhe tocasse mais baixo.
 
Os sapinhos tocavam reco-recos,
Que, em secos ecos,
Se perdiam no salão.
Um gafanhoto, soltando perdigoto,
Interpretava na sanfona a suave sinfonia
Do sertão.
De repente, um sapo arranca um trêmulo esdrúxulo,
No acordeão.
Outro começa depressa a bater colher desafinadamente.
Enfim, é um berreiro que atordoa tudo,
Deixando todo o mundo surdo..
Eram ruídos de tarraxas,
De contrabaixos, violas, violões e violinos,
De pandeiros de borracha,
Sapo que coaxa e desatarraxa
As cordas dos bandolins
E passa graxa
Nas costas dos barulhentos tamborins.
Um sapo quase se racha e se esborracha
De tanto bater na caixa.

O maestro Cururu
Foii ficando jururu.
Os sapos não seguiam mais
Nem passo, nem compasso.
Outros saíram dançando sambas
Entre a platéia quase cheia do salão.
Somente o sapo-boi,
Que era destro,
ficou fiel ao maestro.
 
Já tonto de tantos pontos e contrapontos,
O anuro desengonçado
Joga de lado
O contrabaixo de repente;
O maestro descontente
Foi gritando ao sapo-boi;
“Que foi, que foi?”
 
Dona Saracura,
Que nada atura
Sem falar,
Começou a dar vaias
Do seu lugar.
Rãs e pererecas,

Todas sapecas,
Começaram a chiar
Pelos cantos encantados
do Teatro musical.
Sapo Cururu,
Que não dá ponto sem nó,
Parou tudo com a festa ,
Sem dó.
E todos  foram-se embora,
Em boa hora,
Porque já vinha chegando a madrugada.
E o silêncio voltou a imperar
Na lagoa encantada em festa.
 
 
 
 
 
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui