Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2526)  
  Resenhas (129)  

 
 
Ruínas-03-332
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Bagunçando Brasília.
Airo Zamoner
R$ 30,50
(A Vista)






   > No tempo



Vicência Jaguaribe
      POESIAS

No tempo

   (Vicência Jaguaribe)
 
 
 
 
No tempo de ontem
O tempo ficava fechado em caixas.
A qualquer hora e a qualquer necessidade
Abria-se a caixa e da caixa ele pulava
Feito um menino levado
E punha-se à disposição.
 
No tempo de ontem
O tempo alargava as fronteiras
Ou fechava as porteiras
No tempo e pelo tempo
Que se quisesse.
 
No tempo de hoje
O tempo é um andarilho apressado
Que não espera quem perde a hora
Ou pede tempo para o retardatário socorrer.
No tempo de hoje
O tempo é o gigante de sete léguas
Que sem trégua se entrega à autodevoração
Da qual regurgita a morte,
Que nem tempo tem de mandar aviso.
 
O tempo de hoje sufoca no bolso o tempo de ontem,
Obrigado a recolher-se na memória
Para não desaparecer.
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui