Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (642)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Será o Benedito?
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)



Objetos-02-126
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > ROSINHA - CONTA – CASOS



Isis Berlinck Renault
      INFANTIL

ROSINHA - CONTA – CASOS

Há muito, muito tempo, nasceu no céu uma linda nuvenzinha cor-de-rosa. Nossa! Foi o maior zum-zum-zum. Imagine só! Uma nuvem cor-de-rosa! Não se falava em outra coisa. A casa de Mamãe-Nuvem vivia cheia de visitas. Todos queriam conhecer a nuvenzinha colorida. Todos queriam conhecer Rosinha.
Ah! Sim! Ela recebeu o nome de Rosa. Mas logo, logo, virou Rosinha.

O tempo foi passando e Nuvem Cor-de-Rosa, aliás Rosa, aliás Rosinha, foi crescendo cada dia mais linda. E não era só linda, não. Era inteligente, alegre, super simpática e tinha uma facilidade incrível para fazer amigos. Todo mundo adorava conversar com ela. Sabe por quê? Porque Nuvem Cor-de-Rosa tinha um dom muito especial: ela inventava casos. Pois é! Ela adorava inventar casos e contá-los para os amigos. Todo dia tinha um diferente. De mistério, de aventura... Às vezes triste, às vezes alegre...

– Tem caso novo hoje, Rosinha?

Sempre tinha. E lá vinha mais um! E mais outro... E mais outro...

De tanto contar casos, Rosinha ficou conhecida como Rosinha-Conta-Casos.

Nuvem Cor-De-Rosa, aliás Rosinha, aliás Rosinha-Conta-Casos, tinha um jeito todo especial de contar os casos que inventava. Ela começava sempre assim: ERA UMA VEZ... Era só ela dizer “ERA UMA VEZ” que todo mundo sabia que lá vinha um caso novo.

Um belo dia, depois de ter contado mais um caso, Rosinha surpreendeu os amigos com uma novidade.

– Quando eu crescer mais e puder chover, vou chover diferente.

– Como diferente? – perguntaram espantados. – Não gosta da nossa chuva?

– Claro que gosto. Imagina!

– Já sei, – disse uma amiga, – você vai chover cor-de-rosa.

– Errou. Não vou chover cor-de-rosa, vou chover diferente. Só isso.

– Então conta pra nós...

– Não. É segredo. Na hora vocês vão ver.

E não contou mesmo, por mais que todos insistissem. Nem pra Mamãe-nuvem...

A curiosidade aumentava e Nuvem Cor-de-Rosa continuava guardando seu segredo a sete chaves.

Até que finalmente chegou o grande dia! Nuvem Cor-de-Rosa ia chover! Foi outro zum-zum-zum no céu. Todo mundo comentando e todo mundo louco de vontade de ver a tal “chuva diferente”.

E Nuvem Cor-de-Rosa, aliás Rosinha, aliás Rosinha-Conta-Casos, choveu pela primeira vez.

E choveu diferente mesmo!

Choveu alegria, choveu aventura, choveu fantasia, choveu HISTÓRIA...

Todos os casos que tinha inventado ela transformou em histórias e deixou cair na terra em forma de chuva.

E na terra, aonde a chuva caía, as pessoas, como por encanto, saíam contando histórias: ERA UMA VEZ...

O Vento ficou tão entusiasmado, mas tão entusiasmado, que saiu empurrando Rosinha para todos os cantos da terra só para ela chover histórias.

E Nuvem Cor-de-Rosa correu o mundo inteiro chovendo diferente.

E o mundo foi ficando cheinho de histórias...

E assim nasceu o MUNDO ENCANTADO DA FANTASIA.

Até hoje, quando alguém na terra conta uma história nova, todo mundo lá no céu já sabe: foi Nuvem Cor-de-Rosa, aliás Rosa, aliás Rosinha, aliás Rosinha-Conta-Casos que choveu outra vez!

ERA UMA VEZ...


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui