Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2529)  
  Resenhas (131)  

 
 
Veículos-01-009
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Contos de Curitiba
Airo Zamoner
R$ 36,50
(A Vista)






   > HAICAIS



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

HAICAIS

              -I-
 
        Um cigarro aceso:
        Um punhal furando a carne
        Deste seu pulmão.
 
  
             -II -
       
         Numa gota d´água
         Vejo todas reunidas
         As cores do arco-íris.-
    
             -III-
         Vejo refletido
         Na janela de teus olhos
         O verde do mar.
          
             - IV -
 
       Nosso  pensamento
       Voa  nas asas do vento
       Da imaginação.
 
             - V-
       A saudade mata
      Mais do que todas as armas,
      Mais que um canhão.
 
 
                 -VI -
 
       Quebro todo o espelho
       Para não ver mais a imagem
       Do  tempo que passa..
 
                 -VII-
 
       O incêndio queimou
       A árvore da esperança,
       Só cinza restou.
 
           
    
              -VIII -


        Caí na armadilha
        Que o teu bom coração
        Preparou pra mim.
 
 
               - IX-
 
         Você, bela rosa,
         Por quanto tempo ornará
         Meu triste jardim?
 
              -X-
 
        Figuras tão lindas
        Que se formam lá no céu
        Logo se desfazem.
              
 
               -XI -
 
         A felicidade
         Passou bem perto de mim,
        Tal qual um relâmpago.
 
              -XII –
 
          A minha tristeza
          Assassinou a alegria 
          Que morava em mim.
 
              -XIII –
 
          Barco da esperança,
          Por que tão lento vais singrando
          Distante de mim?
 

           -XIV -
 
          Eu quero beijar
          A mais formosa das rosas:
          Os espinhos não deixam. 
          

             -XV -

         Comigo subiste
         Num pé de jabuticaba:
         Preferi teus olhos.
 
           - XVI –
  
          A vida é batalha
          Equilibra-se num fio
          Da afiada navalha,
 
              -XVII –
 
          Seca nordestina:    
          Um homem  espremendo a água
          Da folha do cacto.
                  
                -XIX –
 
          Um sol causticante:  
          Um homem bebendo o suor
          Que  escorre do corpo.
 
                -XX -
 
         Uma lua nova:
         Foice limpando o jardim
         Do céu azulado.
 
 
                -XXI –
   
        Eis que o vaga-lume
        Numa grande  escuridão 
        Acende seu lume.
 
            -XXII –
 
         Um fósforo aceso:   
         Em pouco tempo um incêndio   
         Engole a floresta.
 
            -XXIII -
 
        No alto da favela
        Duma bandeirinha branca
        Pinga muito sangue..
 
            -XXIV -
 
       Lá no Corcovado
       Até Cristo se esconde     
       Das balas perdidas

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui