Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Natureza-02-248
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



R$ 46,40
(A Vista)






   > MANGAS-LARGAS DO RIO



Luiz C. Lessa Alves
      CRôNICAS

MANGAS-LARGAS DO RIO

 MANGAS-LARGAS DO RIO
 
Estava eu à beira do campo de futebol, em Bangu, com alguns colegas, de repente um deles chegou cantando pneus, e alguém pergunta:
- Ué! Já trocou de carro outra vez?
- Não que eu quisesse! Furtaram o outro; com o dinheiro do seguro e mais uns trocados, comprei este.
Daí, até formar dois times para o início da pelada, começou o papo sobre roubo e furto de veículos. 
No decorrer da conversa, fiquei surpreso com a quantidade, ali, de pessoas que já tinham sido furtadas ou, o pior, roubadas. Algumas por mais de uma vez. Teve gente mostrando cicatrizes de bala, acontecido durante o assalto. Eu fui incluído, também, no grupo dos furtados; mas, apenas uma vez.
A chegada ríspida daquele novo carro, e os testemunhos sobre a falta de segurança no Rio de Janeiro, levou-me de volta à Bahia, algumas décadas.
Parei na bodega de meu pai, onde ele estava sentado no terreiro, quando seu Eron, fazendeiro cultivador de coco e criador de ovelhas, chegou riscando com seu novo cavalo machador e muito arisco! Preto, brilhoso, bastante bonito! Poldro, ainda.
Apeou, amarrou-o no mourão, fincado para esse fim, à sombra do tamarindeiro e, após tomar uma “talascada”, pediu que meu pai fosse dar uma volta no seu novo potro, ainda xucro. O que seu Manoel fez com prazer. Depois, sentados, ali debaixo do pé de tamarindo...
- E aí, compadre, que achou de Júpiter?
- Excelente, compadre! Além de marchar macio, é muito ágil; mas obediente às rédeas! Onde conseguiu?
- Comprei em  Sergipe: Indiaroba!
- E Netuno?
- Aposentei. Ele agora vive lá no pasto à toa. Os meninos é que às vezes dão umas voltas com ele, para que não se sinta desprezado.
- Por que não compra uma égua manga-larga e faz suas próprias crias, compadre?
- Já providenciei isso! Junto com Júpiter, comprei, também, Plutão, potro ruço, duas potrancas castanha e alazã: Vênus e Marte. Todos quatro com dois anos, somente!
- Meus parabéns, então, compadre! Mesmo sem saber quanto lhe custou, posso garantir que fez bom negócio!
- Obrigado, compadre! Agora estou bem servido de montaria! Com estes garanhões  e...
Não terminou a frase. Nesse momento, Júpiter despeja um monte de “quibe” esverdeado no terreiro da bodega de meu pai . Uma senhora borrada! Então, rindo, seu Manoel se vira para o amigo e diz:
- É, compadre, o senhor trocou de cavalo, mas a bosta não é diferente! Só a quantidade deste parece ser maior do que a do outro!
Dessa maneira tem sido aqui no Rio de Janeiro: troca-se de governador, prefeito... mas a quantidade de “quibe” despejada por esses bandas-largas... digo, esses governantes é cada vez maior! E assim como seu Manoel, o povo ainda ri!


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui