Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
A Caçada do Tatu
José Daniel Deodoro
R$ 41,90
(A Vista)
INDISPONÍVEL

De escravos a livres
Itamar paulino de...
R$ 27,20
(A Vista)






   > A DESCOBERTA DE LAURO



Airo Zamoner
      CRôNICAS

A DESCOBERTA DE LAURO

Quando pela primeira vez deslizou pelo chão da sala, engatinhando como bebê grande, sorriu de tanta felicidade. Explorou os arredores, atabalhoado e desajeitado. Seus olhos, vez por outra, viam o infinito lá no fundo da parede e ele percebia que o mundo era muito grande. Haveria mundo no outro lado? Essa pergunta ocupava sua vida enquanto crescia.
Titubeava os primeiro passos, ereto e desequilibrado, quando viu a parede lá no fundo de seu infinito se abrir repentinamente. Viu luzes feéricas escorrerem pelo caminho e percebeu que lá fora havia outro infinito. Cambaleante, agitou os passos desvairados para atravessar as luzes e descobrir o tamanho verdadeiro do mundo.
E viu que o mundo era mesmo muito grande. Sentiu que um dia chegaria no horizonte longínquo para descobrir o tamanho verdadeiro. Antes de rolar escada abaixo, foi içado para o alto e devolvido ao mundo pequeno de suas paredes.
Sonhou com as luzes por milênios.
Um dia desceu as escadas, explorou os arredores com segurança e rapidez, como menino grande.
Seus olhos desejavam o infinito no horizonte e sentia nas cavernas de seus sonhos que o mundo era mesmo muito grande. Só acabava lá no fundo do horizonte. Haveria mundo no outro lado? Essa pergunta ocupava ainda mais a vida de Lauro enquanto amadurecia.
Homem ainda menino, caminhou em direção ao infinito e sorriu de felicidade. Andava e percebia que o mundo era maior que ele. Entristecido, viu o horizonte se afastar traiçoeiramente, boicotando sorrateiro o sonho protelado de chegar e desvendá-lo. Cansado, atirou-se ao chão embrutecido de pedras e seus olhos, inundados de luzes, encontraram as alturas. O infinito parecia branco. Quando as nuvens se abriram, viu novas luzes deslumbrantes deslizando ladeiras. Percebeu que lá em cima havia outro infinito, talvez o verdadeiro.
Engatinhando, havia chegado ao fim do mundo. E o fim do mundo era falso. Andando, rompeu seus enganos. E o infinito era falso. Voar o levaria às descobertas definitivas. E voar não sabia. Haveria mundo além do infinito? E essa pergunta o atormentava enquanto envelhecia.
Levantou-se das pedras, costas para o horizonte, caminhou como homem maduro. Avistou o plano do velho chão de sua casa. Agachou-se. Costas para a porta, engatinhou com firmeza como só um homem é capaz. Mergulhado nas jornadas, através de seus sonhos e descobertas, não fez mais perguntas e envelheceu.
Finalmente, como velho grande, Lauro imobilizou-se na cadeira de balanço, olhou para dentro de seus pensamentos e viu o infinito em sua mais ampla finitude. Sorriu de tanta felicidade.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui