Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Dezoito Mulheres,...
Airo Zamoner
R$ 25,50
(A Vista)



Objetos-01-088
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > O PAVÃO A JUNO



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

O PAVÃO A JUNO

Um pavão se queixou , aborrecido,
Toda a vez que tentava um trinado.
Pois, muitas aves dele escarneciam,
Dizendo ser melhor ficar calado.
 
O pavão foi até  à deusa Juno
Pedir-lhe uma voz maravilhosa..
Mas, a deusa, usando o seu saber,
Foi falando, tranqüila e majestosa:
 
“Tens as penas mais belas que eu já vi,
Formosura tu tens, ó filho amado!
Uma cauda de plumas bem pintadas,
E um pomposo pescoço bem talhado.
 
E o pavão, mesmo assim inconformado,
Reclamou:: de que adianta ser galante?
Pois muda é a beleza! O que eu queria
É ter mesmo uma voz linda e possante.
 
Juno, com muita paciência , disse:
“Foram distribuídos entre vós
Os dons pra cada  um: a violência à águia
E para o rouxinol a bela voz;
 
Para ti os encantos da beleza,
Para a gralha os presságios assombrados.
O agouro para o corvo tão sinistro.
Menos tu, estão todos conformados”
 
O conselho tirado desta fábula.
Nós devemos usá-lo sem receios:
“ Se pra nós muitos dons nos foram dados,
Para que cobiçarmos bens alheios?”
 
 Esta fábula de Fedro foi traduzida do latim e versificada por mim.
Faz parte do meu livro "Fábulas Di-versificadas", publicada pela Protexto, ora à venda nesta Editora. É só clicar em "livraria" para maiores detalhes. O autor.  
 
 
 
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui