Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2529)  
  Resenhas (131)  

 
 
R$ 27,60
(A Vista)



Provérbios de AKEL no...
Adryan Krysnamurt Edin...
R$ 40,00
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > O PAVÃO A JUNO



GERALDO DE CASTRO PEREIRA
      POESIAS

O PAVÃO A JUNO

Um pavão se queixou , aborrecido,
Toda a vez que tentava um trinado.
Pois, muitas aves dele escarneciam,
Dizendo ser melhor ficar calado.
 
O pavão foi até  à deusa Juno
Pedir-lhe uma voz maravilhosa..
Mas, a deusa, usando o seu saber,
Foi falando, tranqüila e majestosa:
 
“Tens as penas mais belas que eu já vi,
Formosura tu tens, ó filho amado!
Uma cauda de plumas bem pintadas,
E um pomposo pescoço bem talhado.
 
E o pavão, mesmo assim inconformado,
Reclamou:: de que adianta ser galante?
Pois muda é a beleza! O que eu queria
É ter mesmo uma voz linda e possante.
 
Juno, com muita paciência , disse:
“Foram distribuídos entre vós
Os dons pra cada  um: a violência à águia
E para o rouxinol a bela voz;
 
Para ti os encantos da beleza,
Para a gralha os presságios assombrados.
O agouro para o corvo tão sinistro.
Menos tu, estão todos conformados”
 
O conselho tirado desta fábula.
Nós devemos usá-lo sem receios:
“ Se pra nós muitos dons nos foram dados,
Para que cobiçarmos bens alheios?”
 
 Esta fábula de Fedro foi traduzida do latim e versificada por mim.
Faz parte do meu livro "Fábulas Di-versificadas", publicada pela Protexto, ora à venda nesta Editora. É só clicar em "livraria" para maiores detalhes. O autor.  
 
 
 
 
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui