Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Enredos do Meu Tempo
Roberto Villani
R$ 30,50
(A Vista)



Alerta das Estrelas
Francisco Ederaldo...
R$ 77,70
(A Vista)






   > Quem é Ela



Ilza Maria Saldanha Ribeiro
      CRôNICAS

Quem é Ela


 Vazia... Tem tudo, mas do tudo que tem nada é seu. Chega aos palácios, às mansões... É moça formosa, faz questão, de qualquer forma, de ser dentre as outras a mais bela, inteligente e notória em qualquer lugar. Na escola consegue captar um pouquinho daqui, um tantinho dali, uma reposta da Lúcia, outra do João e com o restante na colinha da mão garante a nota máxima na prova de religião sem esforço algum, a não ser dos passos para ocupar o espaço dos outros que são comuns. O mínimo de preocupação? Jamais! Nada disso se percebe em seu semblante! É senhora, mãe exemplar; senhor, chefe de família que de tudo participa. Na empresa? Inspetor de setor a caminho da função de administrador, ou quem sabe? De presidente por ter sido visto como o mais competente no ramo que na verdade ultrapassa o de bajulador. Na presença? Nem de todos! Mas concorda e discorda a depender da opinião do maior, do mais forte, da maioria envolvida no negócio. Possuiu Caim que matou Abel; perseguiu Davi através de Saul. Ainda é e continua na luta reivindicando direitos que não tem, posses que não conquistou. Deseja tudo o que vê, se possível compra o que não necessita ter, procura imitar, mas original nunca pode ser. Só os que têm visão são capazes de ver o que nela está implícito e o poder que ela tem de trapacear os ingênuos, tolos que não conseguem ver com os olhos do saber. Olhos capazes de identificar e desmascarar a danada causadora da real rebelião de forma silenciosa que atinge o cidadão honesto, obrigando-o a fazer protestos que podem mergulhá-lo na sarjeta, deixá-lo sem identidade na prisão, ou perambulando pelos becos escuros da solidão.

Precisa revelar o ser do qual se fala? Não!

Pelas travessuras mencionadas nesta alegoria consegue-se notar que não é homem e nem mulher, mas entre ambos age, enfia sua colher.

Por causa dela apedrejaram Estevão, soltaram Barrabás e crucificaram Jesus. É marcante na extrema e adulta inteligência humana sem a “essência do bem: sabedoria que muitos apesar de terem não reconhecem de onde vem”.   ...


Ilza Saldanha

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui