Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2529)  
  Resenhas (131)  

 
 
OBJEÇÃO DE...
ALEXANDRE STURION DE...
R$ 36,10
(A Vista)



Dessistematizando e...
Adryan Krysnamurt Edin...
R$ 0,00
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > O ROUBO DA BICICLETA DO DENTISTA



LEOMAR BARALDI
      CONTOS

O ROUBO DA BICICLETA DO DENTISTA

                                                      
 
Dr. Boticão, emérito dentista, conceituado obturador, bom no exercício do motorzinho, no manejo e destreza na arte de restaurar coroas e abcessos erosivos em dentes cariados ao extremo. Porém temido pelas crianças. Mais por sua aparência. Alto, de longos braços, de cabeleira vasta e espetada, dava a impressão que raramente penteava o cabelo, pestanas grossas e espessas sobre os olhos como se fossem ponto de espera de circular. Seu olhar lembrava o olhar de um cientista maluco prestes a descobrir uma fórmula mirabolante, ou aquela imagem do cientista maluco que está prestes a pôr em experiência uma máquina acoplada a um chimpanzé e a um ser humano só pra ver o resultado. Seus gestos eram espalhafatosos, exagerados quando dialogava. Gesticulava tanto que certa vez chegou a meter a mão na cara do turco Marrah, que mandou a peruca dele longe. Na sua empolgação era um desastre. E o seu caminhar? Parecia um boneco andando. Dava a impressão de o Frankstein andando. Na rua quem topava com ele pela frente era melhor livrar a passagem senão poderia ser atingido por seus sapatões sem destino.
Dr. Boticão era uma pessoa singular e única, sem dúvida iria ser lembrado por toda a história de Morro Alto do Caruru. Acima de tudo pessoa carismática, todos o queriam bem. Cuidadoso em seu trabalho, apesar de quem o visse caminhar pelo consultório atribuía-lhe os mesmos traços de um carrasco procurando um instrumento de extermínio. Comentava notícias, fatos, acontecimentos do país, do mundo. Esportes, política, ciência, mulheres. Com o assunto de mulheres tomava logo uma dinâmica quase total. Desnudava as mulheres, as bonitas e gostosas.
Comentava economicamente as mulheres: mulher tem que ser econômica em roupas, mulher com poucas roupas são as melhores; politicamente: você tem de ser o único candidato na eleição do seu coração; cientificamente: uma bomba atômica não consegue destruir o que 900 mulheres juntas e aborrecidas por causa de uma unha quebrada ou um detalhe em sua estética que tenha saído errado, conseguem; geograficamente: toda mulher é um abismo, todo cuidado é pouco ou cairá definitivamente para o esborrachamento certo lá embaixo; agricultura: uma mulher um dia vai te mandar plantar-batatas; necrófilas: a mulher não vai ter sossego e paz até vê-lo morto. Mas está mais que provado, um homem não vive sem mulher.
Dr. Boticão toda manhã saía com a sua bicicleta para a sua corrida matinal, acenava para todos, conhecia todos na cidade. Muitos se lembram daquela vez que praticava o seu ciclismo pela manhã, parou um pouco em frente à padaria do seu Gonçalves, comer um pão com manteiga saboreando o café passado na hora, era um dos prazeres que não dispensava (pequenos prazeres, como ele mesmo denominava). Descuidou-se uns minutos da sua bicicleta na calçada. Foi o bastante para um ladrão larápio se apossar dela e sair pedalando em desabalada carreira pela rua. Pessoas que já conheciam o ladrão -em cidade do interior é tão romântico que todos conhecem os ladrões, e o delegado quando consegue colocar a mão em cima deles, apenas diz para o suposto ladrão: "Por favor, não faça mais isso que é feio e é pecado também!" -pessoas se puseram a gritar: "Roubaram a bicicleta do Dr. Boticão! Roubaram a bicicleta do Dr. Boticão!"
O dentista largou o seu pão com manteiga que se precipitou sobre a xícara de café e de um salto estava na frente da padaria, procurando a bicicleta. Viu ao longe o meliante fugindo com ela. Não pensou duas vezes, se pôs a correr atrás do ladrão. Corria como se fosse um doido, com as suas pernas estabanadas, pernas que saíam peludas do short azul marinho. Todos sairam à rua para verem a cena. O ladrão com a bicicleta na frente, Dr. Boticão na corrida, na tentativa de alcançá-lo. Percebia-se nitidamente que o cirurgião-dentista não conseguiria.
Neste dia estava sendo realizada a feira semanal da cidade. O pessoal escolhia verduras, legumes e frutas, distraidamente. Quando atravessou entre eles o ladrão na maior velocidade que conseguia imprimir na bicicleta. Esbarrou em pacotes, fez um malabarismo maluco para desviar de uma senhora que cruzava o caminho entre as barracas na intenção de escolher uns quiabos na barraca defronte. A mulher fez uma careta e pronunciou um palavrão. Nem dois tempos e deu de cara com o Dr. Boticão, cansado, suado, ofegante, na perseguição ao ladrão da sua bicicleta. Foi desviar da mulher, atabalhoadamente, calculou mal a curva que teria de fazer e entrou na barraca dos quiabos e derrubou tudo. Rolou ele por cima do seu Túlio, quiabo rolou para todo lado. Levantou-se se livrando dos quiabos, procurando se o ladrão ainda estava à vista. Nisso já havia ganho uma boa dianteira. Dr. Boticão não hesitou. Na guerra tudo é permitido. A barraca dos côcos. Côco baiano, os mais duros que a natureza já produziu. Dr. Boticão apanhou um côco na mão. "Dois reais!". disse logo a dona Zerilda. "Pode deixar que eu pago", respondeu o caro odontólogo. Numa posição da estátua de Discóbolo de Atenas, Dr. Boticão, segurando o côco, com a sua altura toda, aquilo em sua mão parecia uma bala de canhão daquelas antigas, com a diferença dessa ter pêlos e a impressão de ter dois olhinhos meigos apreciando o movimento. Bem segura e firme em sua mão. Uma perna adiantada, a outra afastada, para ganhar potência no arremesso. Como um exímio jogador num campo de golfe, estudava todas as forças físicas em ação naquele momento: umidade do ar, pressão atmosférica, temperatura do ar, direção e velocidade do vento. Se lançou numa pequena corrida para ganhar impulso, avançou cinco passos e lançou o côco baiano. O côco viajou como um míssil teleguiado, um míssil de precisão tecnológica. O ladrão com a bicicleta ganhava uma boa distância. O côco viajava numa velocidade e numa força impressionante. O ladrão já antegozava a sua vitória sobre o Dr. Boticão. Rejubilava-se por dentro. Ria internamente de glória. Como é bom sentir os louros da vitória. Pontos pra ele. Pedalava com mais afinco, com mais determinação, com mais destreza. Foi como um eclipse do sol. Tudo se apagou. O côco baiano acertou bem no meio da sua cabeça. A perda de controle da bicicleta foi imediata. Foi de encontro a um carro estacionado numa calçada, e caiu no chão.
Recuperada a bicicleta, o cirurgião-dentista foi todo feliz para casa.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui