Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
Refletindo sobre EaD e...
Cléber Lemos
R$ 38,50
(A Vista)



Vida em Palavras
Gilmar Camilo Pereira
R$ 53,40
(A Vista)






   > O macaco e a banana



Kate Lúcia Portela de Assis
      INFANTIL

O macaco e a banana

Há muitos e muitos anos existiu um macaco.
Esse macaco se diferenciava de todos os outros.
Ele simplesmente não gostava de bananas.
As pessoas sempre jogavam bananas para ele. Algumas dessas frutas até batiam na sua cabeça.  Quando isso acontecia, ele ficava muito, muito nervoso.  Ele se jogava no chão e se debatia todo. As pessoas ficavam espantadas com seus ataques.
- Macacos me mordam! Que geniozinho forte o desse macaco! – afirmou um homem.
- Como pode um macaco não gostar de banana?... – disse uma senhora.
Mas o que nunca ninguém perguntou era por que ele não gostava de bananas.
- Por que não me dão livros? Por que não me dão brinquedos? Por que não me dão um violão? Por que não me dão uma flor? Por que não me dão uma nuvem ou uma estrela? Por que não se dão? – desabafava o macaco.
Até que um dia o macaco conheceu uma velhinha bem simpática. Em vez de lhe jogar bananas, ela lhe jogou um beijo. Logo, logo ficaram amigos.
- Então, você não gosta de bananas?
- Não.
- Mas você já experimentou uma banana?
- Como vou experimentar se eu não gosto?
- Como você não gosta se você não experimentou?
O macaco ficou todo confuso.
No dia de seu aniversário, a sua amiga chamou muitas crianças para que pudessem fazer uma festa surpresa para o macaco, com balões e música.
A velhinha preparou um bolo de banana, servido com uma deliciosa vitamina de banana.
Se o macaco gostou?
Muito.
Ele retirou sua casca grossa para sempre e se tornou um macaquinho mais doce que doce de banana...
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui