Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Scompigliare Brasilia
Airo Zamoner
R$ 29,50
(A Vista)



Estátuas-01-157
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > A flor vitória régia



Eudes Miguel da Silva
      INFANTIL

A flor vitória régia

A flor vitória régia

Ás margens de um caudaloso rio vivia muito feliz uma tribo em sua toldaria, alimentava-se da caça da pesca e frutas silvestres. Certa vez, viram com grande assombro chegar gente branca vindas sabe lá Deus de onde, para apossar-se atrevidamente de suas terras. Os índios não viram com bons olhos tal intromissão. Lutaram em defesa de suas terras de caça e águas de pesca. Depois de sangrentas batalhas, nas quais ora, venciam ora, perdiam,chegaram a um acordo com os invasores.

Aprenderam uns e outros a viver como bons amigos e vizinhos. Passaram-se muitos anos as tribos aceitaram de bom grado as relações com os estrangeiros. O chefe invasor tinha uma filha de cabelos louros e olhos azuis. Era tão linda e tão boa, especialmente para com os indiozinhos, que toda a tribo lhe tinha especial carinho. O rio em cujas margens viviam brancos e índios era muito perigoso e traiçoeiro.

Aconteceu que certa vez, enquanto tomavam banho vários indiozinhos, o rio começou a encher de repente. Um dos indiozinhos foi arrastado pelas águas e estava a ponto de se afogar. Os outros curumins puderam sair a margem e começaram a gritar. Nisso apareceu a bela filha do chefe branco que tirando rapidamente suas roupas, se lançou no rio e depois de nadar uns metros com muito trabalho e perigo, conseguiu segurá-lo pelos cabelos trazendo-o á tona para que respirasse.

Com o alvoroço chegava mais gente e entre estes o cacique de era filho o indiozinho que se afogava. O cacique se lançou na água e com uns pares de braçadas chegou a onde estavam e resgatou a seu filho. Não pôde fazer o mesmo com a menina, que foi arrastada pela correnteza sem que ninguém a encontrasse.

Então a tribo inteira, depois de realizar uma estranha cerimônia pedindo ao deus Tupã a alma da heroína menina, comunicou por meio de xamãs ao desconsolado pai, uma mensagem que o deus lhe enviava. Tupã comovido pelo sacrifício que aquela havia feito, em favor do indiozinho, havia determinado que ela continuasse a viver, mas na forma de uma flor, uma flor que poderia ser vista sempre sobre a superfície dos rios e lagos.

 





CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui