Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2526)  
  Resenhas (129)  

 
 
Cidades-01-186
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)



Dessistematizando e...
Adryan Krysnamurt Edin...
R$ 0,00
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > O mundo sobrenatural



Eudes Miguel da Silva
      CONTOS

O mundo sobrenatural


Numa pequena cidade havia certo médico provincial, o único para atender a todo mundo daquela cidade. Certa noite enquanto tentava dormir alguém bate à sua porta: _ toc! Toc! Toc! Estava muito escuro e chovia bastante ele pegou sua lanterna e saiu em direção à porta para abri-la ao abrir a porta deu de cara com uma menininha que aparentava ter uns oito anos

Numa pequena cidade havia certo médico provincial, o único para atender a todo mundo daquela cidade. Certa noite enquanto tentava dormir alguém bate à sua porta: _ toc! Toc! Toc! Estava muito escuro e chovia bastante ele pegou sua lanterna e saiu em direção à porta para abri-la ao abrir a porta deu de cara com uma menininha que aparentava ter uns oito anos de idade.

Esta ao vê-lo disse: _por favor, doutor, venha comigo ajude-me a salvar minha mãe, ela está sozinha e muito doente se você não vier, ela certamente morrerá! O doutor pegou sua maleta e a seguiu. Ele a seguiu por um longo tempo. Eles entraram numa pequena casa que ficava num subúrbio. Aquela garotinha o levou até o quarto da mãe dela ao chegar lá disse: _este é o quarto de minha mãe doutor.

A mulher estava inconsciente encima de uma cama velha de palha, o doutor a medicou e sentou um pouco aguardando o resultado. Ao despertar na manhã seguinte a mulher começou a falar ainda estava muito fraca o medico recomendou que ela não fizesse muito esforço. Mesmo assim ela não parava de agradecê-lo. Ela perguntou ao doutor: _ como é que o senhor soube que eu estava precisando da sua ajuda?

O doutor disse: _ sua filha esteve comigo a noite passada e pediu que eu viesse tratá-la. A mulher lhe disse: _eu não tenho nenhuma filha doutor! – eu tive uma, mas morreu há muito tempo. O médico insistiu: - _era sua filha, ela tinha cerca de uns oito anos de idade e estava usando um casaco amarelo. A mulher o olhou firmemente nos e disse: _ por favor, doutor abra aquele guarda-roupa velho e verás o que estou lhe falando. O doutor o abriu e lá estava o casaco que ele havia visto a garota vestido pendurado no cabide e plenamente seco

 

d

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui