Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Conquistas,apenas uma...
Itiel Monteiro de...
R$ 26,80
(A Vista)



Será o Benedito?
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)






   > Uma Brevíssima Resenha sobre o Filme Um Lugar Qualquer



Kátia Ribeiro de Oliveira
      RESENHAS

Uma Brevíssima Resenha sobre o Filme Um Lugar Qualquer


O título do filme, tanto em inglês como sua tradução para o português, retrata fielmente o roteiro do filme de Sofia Coppola.
Um ator de sucesso e milionário Johnny Marco (Stephen Dorff) que não tem um lugar para chamar de lar. Um lugar onde se sinta capaz de ser feliz. Acomodado (no melhor sentido da palavra) e à vontade com sua própria vida.
E ao final do filme, o ator (protagonista do filme) reafirma o título do filme. Ele sai a “procura” de um “lugar externo” sabendo que até então não o encontrou.
Sua vida interna favorece encontros casuais, relações superficiais, até mesmo ou principalmente, com sua filha. E uma propensão para não dialogar, mesmo as entrevistas são monossilábicas.
Como se ele tivesse perdido a fé no outro, ele mantém-se aéreo. Da aparência desleixada até o que come são escolhas impessoais.
O protagonista vive em suspenso, e só toma conhecimento de si mesmo ao telefonar para uma mulher pedindo-a para se encontrar com ele e declarando-se “um nada”. E quando pedi desculpas para a filha—ainda que continue distante da filha, literalmente e não figurativamente, sem saber se a mesma escutou-o, como se pedisse desculpas a si próprio— porém somente quando a mesma confessa-lhe que ele nunca está por perto.
O filme tem pouquíssimos diálogos e concentra sua força exatamente nisso, mostrando a falta de sintonia do personagem principal com sua própria vida—que não é explicada propositadamente. Deixando-nos, assim como ele, também sem sintonia, no nosso caso, com o personagem. Dando a sensação de que tanto ele como nós, assistimos o filme ou a vida passarem. Adormecidos e esperando pela mudança.
 Falta-lhe derramamento emocional para construir um lugar que não seja qualquer um.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui