Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Provérbios de AKEL no...
Adryan Krysnamurt Edin...
R$ 40,00
(A Vista)
INDISPONÍVEL

R$ 18,90
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > NAPOLEÃO COM A CALÇA NA MÃO



LEOMAR BARALDI
      CRôNICAS

NAPOLEÃO COM A CALÇA NA MÃO

A pequena Camila outro dia, fazendo a tarefa da escola, me perguntou por que Napoleão perdeu a guerra.
-Foi por causa de queda da pastilha. –respondi.
-Tio, não era Bastilha, não?
-Não, pequena Camila, era pastilha mesmo. Porque Napoleão sofria de úlcera e sempre carregava consigo algumas pastilhas para atenuar a dor. Mas acontece que foi tomar a sua pastilha, era a última. Porém a pastilha caiu no meio da grama. Ele estava montado em seu cavalo branco. Desesperado, ele pulou do cavalo para apanhar a pastilha. Então curvou-se para procura-la em meio a vegetação rasteira. Nisso ocorreu o sinistro. Sua calça, rasgou. Crassshh! Bem no meio da costura das pernas, até a altura da cintura, pela bunda. Sua ceroula de patinhas de onça ficou exposta.
E agora? Muito preocupado com a sua reputação, desesperado, montou em seu cavalo e esporeou. Tinha de procurar um alfaiate. A vila mais próxima ficava quase meia hora de viagem. Foi galopando para lá.
Chegando à vila, informou-se onde poderia encontrar um alfaiate. Indicaram-lhe um, ficava nas proximidades da igreja. Localizou a casa do profissional.
Chamou e um rapazinho veio atende-lo.
-Aqui tem serviço de alfaiate?
-Sim. Meu pai, senhor Guerra. Mas ele não está.
-Como não está?! Eu preciso dele urgente. –Napoleão estava visivelmente estarrecido com a notícia da ausência do alfaiate.
-Se o senhor chega um pouco mais cedo não tinha perdido o Guerra. Ele teve de fazer uma viagem de última hora.
-Que droga! Não tem outro alfaiate na cidade?
O rapazinho acenou que não com a cabeça.
Sem outra alternativa voltou para o campo de batalha. Ele mesmo então costuraria a calça. Escondeu-se atrás de um arbusto, tirou a calça e só de ceroula começou a coser a calça. Quando soldados inimigos o cercaram e o pegaram. Foi daí que nasceu a expressão: “pego com a calça na mão.”


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui