Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2526)  
  Resenhas (129)  

 
 
Dança de Salão, a...
Maristela Zamoner
R$ 36,60
(A Vista)



Será o Benedito?
Airo Zamoner
R$ 10,80
(A Vista)






   > Lecabel, o Ministro



Airo Zamoner
      CONTOS

Lecabel, o Ministro

Salustiano parecia ser um caso raro. Submetido a um longo interrogatório, levou os funcionários responsáveis a conclusões alarmantes. Quando o mais graduado apareceu na porta, assustou-se com a pequena multidão. A cidade inteira esperava lá fora, ansiosa. A gritaria era insuportável. Conseguiu, a duras penas, organizar a turba. Muitos denunciavam outros casos que se alastravam pelo lugar.

No princípio, os representantes do Ministério recusavam-se a acreditar, mas conformaram-se, ao concluírem que a situação era mesmo alarmante. Comunicaram-se com a capital e em poucas horas a pequena cidade ficou tomada por tropas federais. Policiais se espalharam por todos os cantos.

Foi difícil separar todos os contaminados. Sempre aparecia mais uma denúncia. O número de vagas necessário para todos os casos era insuficiente.

Há muitos anos que não havia mais epidemia como aquela. Desde muito tempo o assunto deixara de se constituir num grande problema e aos poucos as vagas foram sendo desativadas. O próprio ministério andava esvaziado e pouco ativo. Agora, de forma intempestiva, parecia estar surgindo um surto e precisava de ação enérgica.

Logo, todos os doentes foram transportados em camburões e as autoridades locais foram advertidas para denunciar imediatamente qualquer suspeito.

Corria a boca pequena entre os investigadores que o importante era descobrir como o surto havia começado. Só assim seria possível evitar novos casos. Nas semanas seguintes, porém, novas denúncias ocorreram e a cidade foi novamente inundada por técnicos acompanhados de policiais, levando mais algumas dezenas de pessoas sofrendo do mesmo mal.

Uma das raras inteligências do Ministério percebeu que Salustiano e todos os demais doentes tinham algo em comum: suas idades, que variavam de doze a dezoito anos. A partir desta informação, as investigações se concentraram nas escolas e principalmente nos professores.

Um a um, os professores foram examinados exaustivamente, mas nenhuma anormalidade foi encontrada. Todos estavam absolutamente dentro dos padrões do ministério. Todos tinham sido reciclados nos cursos de manutenção de qualidade.

– Lecabel! – gritou o prefeito na reunião secreta com os investigadores.

– Que é isso?

– Lecabel! – insistiu o prefeito.

– Explique-se, homem!

– O velho que mora na saída da cidade. Investiguem Lecabel!

Na cidade corria solta e maliciosa a informação de que o velho safado mantinha a fonte de contaminação com ele e até distribuía aos jovens.

Lecabel foi pego em flagrante. Rápidos exames feitos no local constataram a contaminação. Em seu barraco mal improvisado, estava com a prova do crime. Insolente, distribuía livros a três jovens de olhos brilhantes, sorrisos deslumbrados a ouvi-lo inebriados.

Assustaram-se com a presença da tropa. Todos foram levados e todas as provas recolhidas.

Os doentes foram levados e matriculados no ministério.

Lecabel era um caso especial. Foi condenado a sofrer drenagem cerebral. O castigo em desuso, aplicado apenas no passado, surtiu efeitos maravilhosos.

O governo, assustado com a recaída iminente da população no uso daquele material apócrifo, aprovou a remodelação e aumento de verbas orçamentárias para o Ministério das Trevas. Lecabel, o novo ministro, ficou exultante.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui