Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Paisagens-01-012
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Cidades-02-189
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > A MÃO E A PALMATÓRIA



thelma b oliveira
      CRôNICAS

A MÃO E A PALMATÓRIA

 

O Brasil tem resquícios coloniais que ainda hoje se refletem nos costumes sociais, familiares e políticos. Como o chefe da casa era ao mesmo tempo senhor de terras e de escravos, ele se achava com direito de ‘disciplinar’ seus servos e, por extensão, os filhos. O escravo, ao errar, tinha que dar a mão à palmatória, o pescoço ao tronco e o lombo à chibata. Em casa, usava-se a palmada, o chinelo, o cinto, para deixar o ‘couro quente’. Escolas religiosas de então e de sempre usaram a palmatória e a vara para dobrar alunos rebeldes. E tudo era considerado naturalíssimo.

Nas histórias infantis há componentes sádicos do adulto sobre a criança, punições, privações, castigos. Romances de Charles Dickens são ricos em menções ao uso da vara e do chicote nos jovens alunos. Batia-se para ensinar, para fazer comer, para obrigar a estudar, para moderar o comportamento. Ao qual, aliás, correspondia nota no ‘boletim’: fala alto, conversa com os colegas, não presta atenção às aulas. Graciliano Ramos tem lembranças vívidas do quanto apanhava - sem saber por quê. Motivos não faltavam para despertar a sanha vingativa e desarrazoada dos pais e pedagogos. Até hoje se usa falar em ‘palmada educativa’ ou ‘psico-tapa’, que justificaria a ira dos adultos.

Ano passado foi lançada a campanha “Não bata, Eduque”, no Palácio do Planalto, pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela apresentadora de televisão Xuxa Meneghel. A coordenadora, Eleonora Ramos, afirmou que é preciso acabar com a cultura de que a “palmadinha” é lição de educação. “Ela [palmada] é o primeiro passo de uma relação que não é eficiente e que ensina uma linguagem onde a criança só entende, só obedece com esse estímulo físico da palmada. A palmada, geralmente, deixa de ser palmada para se tornar uma agressão”, afirmou Eleonora, em entrevista à TV Nacional, da Radiobrás.

Como se pode ver na página da Agência Brasil, “Para as Nações Unidas, palmadas, beliscões e tapas são transgressões aos direitos da criança. Dezoito países modificaram suas legislações para evitar a prática. No Brasil, tramita no Congresso Nacional, desde 2003, projeto de lei que prevê o direito da criança de não ser submetida a castigo físico. A proposta já foi aprovada pelas comissões de Educação, Seguridade Social e de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados”.

O ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria Especial de Direitos Humanos, afirmou que “educação não pode passar qualquer risco que envolva possibilidade de marcas físicas e marcas da alma”. De acordo com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o sistema de informação da infância e adolescência do país registrou 500 mil casos de violência psicológica, física e sexual de 1999 até hoje, sendo que apenas 1% das agressões são denunciadas.

Enfim, mesmo que simbólico, o ato deve surtir algum efeito na prática, pelo prestígio inegável da apresentadora, que é vista e ouvida em todos os lares brasileiros. Quando nada, causará desconforto aos pais e educadores. Esse foi o verdadeiro “Xou da Xuxa”.
 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui