Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2526)  
  Resenhas (129)  

 
 
Kalls - Amanhecer
Diego Lincoln Campos
R$ 42,90
(A Vista)



Apenas um Minuto
Lidia Maria Cardia
R$ 34,10
(A Vista)






   > A mais pura verdade



Valéria Luciane Okano Halila
      CONTOS

A mais pura verdade

Sabe aquela velha história que todos contamos na escola (ao menos os que não eram cdfs):

– Professora! O cachorro comeu meu dever.

Nunca adiantava, mas estava sempre na ponta da língua.

Semana passada cheguei a uma importante conclusão: ainda não funciona.

Tenho uma cadelinha guapeca demoníaca, a Barriga. A insana devorou metade da casa em seus nove meses de vida, muito mais do que o necessário para nutrir seus cinqüenta centímetros de comprimento. Pois bem! Na terça-feira cheguei em casa e a encontrei muito entretida no jardim, mascando algum objeto não identificado. Curiosa, aproximei-me para desvendar qual seria a vítima da vez. Afinal, todos os meus grampos-de-roupa, minhas canetas e até minhas meias haviam sofrido o mesmo fim trágico. Ao ver-me, cerrou os dentes, ocultando seu manjar. Depois de bons minutos de luta inútil, tapei-lhe a fuça. Logo que abriu a boca, retirei a disputada substância: um pedaço roído de látex.

Vasculhando as profundezas de meu cérebro, lembrei que Neto, meu namorado, havia comprado uma série de preservativos na véspera, deixando-os na gaveta de meu criado-mudo. Corri para a cena do crime e logo o mistério foi solucionado. A gaveta estava entreaberta e seu conteúdo jazia no chão, despedaçado, após ter sido violentamente retirado de seu invólucro. Voltei-me para a culpada, mas essa havia fugido impunemente segundos antes.

Limpei toda aquela sujeira, blasfemando as piores injúrias que conseguia imaginar. Ao esgotar meu extenso repertório, recobrei a consciência. Devia suprir o estoque antes que Neto viesse. Olhei o relógio, faltavam quinze minutos. Correndo, fui à farmácia mais próxima e comprei as malditas camisas-de-vênus. Assim que as guardei, a campainha tocou. Ele entrou, comemos, falamos, nos beijamos, aquela coisa toda. Estava tudo bem. Ao menos foi o que pensei, até iniciarem os urros:

– O que significa isto? As que eu trouxe não eram dessa marca!

- Não?

- Não!

- Só tinha dessas na farmácia, hoje.

- O que fez com as que eu trouxe?

- Minha cachorra comeu.

- Que tipo de idiota você pensa que sou?

- É verdade!

- Sinceramente, não esperava uma coisa dessas! Não de você! Se fosse uma... Mas seis?! Em um dia?! E ainda mente na maior cara-de-pau?! Está tudo terminado!!

Desse modo, perdi o namorado, mas fiquei com a Barriga. Como se não bastasse, tenho que agüentar as fofocas da vizinha que jura por tudo que é mais sagrado que, não só traí o Neto, como gostei, e muito. Caso contrário não teria bradado todas aquelas sacanagens repetidas vezes antes dele chegar.

CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui