Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2501)  
  Resenhas (129)  

 
 
Dança de Salão, a...
Maristela Zamoner
R$ 36,60
(A Vista)



DUBLE - A um passo em...
Guilherme Augusto...
R$ 49,60
(A Vista)






   > Dilema



Heloisa Pereira de Paula dos Reis
      CRôNICAS

Dilema

Dilema

 

 O vento acariciava seus cabelos e ela nem se dava conta do carinho recebido. Estava sem alma... Não mais entendia o que era ser acarinhada.

Passou a viver num dilema sem fim.Mostrava-se ineficiente frente às razões mesquinhas que lhe eram apresentadas. Tanto tempo perdido em conflitos, em discussões intermináveis que não levavam a nada... Apenas ao desgaste que se agigantava cada vez mais e mais.

Sentimentos não eram mais respeitados. Cada um cuidava do seu e ponto.

O arrependimento dos passos percorridos no decorrer de sua vida, a fez perceber que não poderia mais mentir para si mesma.

O passado vivido não poderia fazer com que ela trouxesse para o presente a paz tão desejada.

Mas e daí, fazer o que para que a situação fosse revertida? Nada.

O sentimento de anulação sufocava as lembranças dos prazeres já vividos, fazendo com que outras lembranças tomassem o seu lugar... As não tão boas assim.

As perspectivas de que algo melhor ou mais prazeroso fosse acontecer, passava ao longe... A perder de vista.

Carregava seus problemas de um lado para outro. Pobre mulher... O desassossego que a acompanhava era inevitável, inquietante mesmo. Fazia com que ela relembrasse tudo com detalhes.

Melhor tolerar a ambiguidade e a indecisão que sentia como se fosse um antídoto perfeito, do que aceitar intenções generosas... E contraproducentes.

Não era nada fácil dissipar seus problemas. A revivencia do amor acabado estava sempre a seu lado, não a abandonava. Nunca.

Era susceptível a todos os problemas que a ela se apresentavam.

Mas, num esforço infatigável, interpretava a vida a seu modo. Tentava redesenhá-la, perseguindo quimeras.

Como se possível fosse...

 

Heloisa/2011

 

 

 

 

 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui