Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (651)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
A leitura é...
Maristela Zamoner
R$ 31,20
(A Vista)



Enredos do Meu Tempo
Roberto Villani
R$ 30,50
(A Vista)






   > Cotas: uma forma de reparo social



Andreia Frederico Coutinho
      ARTIGOS

Cotas: uma forma de reparo social

                   
A discussão do percentual de vagas para afrodescendentes é bastante pertinente. Por isso, merecedora de atenção.
 
A História do Brasil não oficializa a importância dos negros para a constituição da sociedade e formação da classe trabalhadora. Procura-se mostrar, contudo, um estereótipo de povo preguiçoso e acomodado.
 
O processo de expansão política trouxe mudanças pouco significativas para a população negra. Portanto, pode-se dizer que a abolição da escravatura não garantiu (nem garante) aos negros condição social igualitária, uma vez que o grupo continua sendo vítima de preconceito e discriminação.
 
Uma das principais dificuldades da população negra reside na inferiorização da escola, cujo sistema quase sempre é transmissor de valores distorcidos. A abordagem dos livros didáticos referente à pós-abolição é a de um povo livre, entretanto, é notória a ínfima representatividade do negro nos setores sociais, mesmo o Brasil ocupando o segundo lugar do mundo com maior número de negros e mestiços.
           
De acordo com a Carta Magna, em seu art. 5º, caput, temos: Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”. Reside-se, aqui, o Princípio da Isonomia que requer melhor compreensão da palavra “igualdade” - tratar desigualmente os desiguais na medida de suas desigualdades. Com base nesse princípio, parece razoável pleitear o sistema de cotas para afrodescendentes, como modo de oportunizar aos desiguais o acesso aos direitos fundamentais, que segundo a Constituição Federal/1988, é direito de todos. Apesar de a medida ser excepcional, isso não denota incapacidade do negro, embora os  contrários às cotas argumentem ser  um tratamento discriminatório. Há equívocos nesse entendimento, pois não existem estudos científicos que comprovam que capacidade intelectual é privilégio dos não negros. No entanto, já se confirmou social, política, econômica e historicamente ser a cor da pele  fator determinante nos campos sociais. Quer dizer, o preconceito e a discriminação étnica fomentam a desigualdade de acesso às posições sociais.
 
Outro ponto arguido pela oposição é afirmar que com as cotas, o Governo se exime da responsabilidade de investir na qualidade do ensino. A tese parece ter certa fundamentação; todavia, ela se desestabiliza quando se verifica por meio de dados estatísticos que a adesão às cotas em várias Universidades Públicas do País, por exemplo, não comprometeu a qualidade do Ensino Superior; pelo contrário, apontou índices positivos acima do esperado.
 
Talvez as cotas não garantam de forma resolutória o alcance da equidade, mas é  uma maneira de o Estado propiciar aos excluídos o acesso a direitos. Por isso, é possível estabelecer relação com o Princípio da Razoabilidade ao computar o número de afrodescendentes de uma região (com exceção da Região Sul brasileira),  com a  tamanha desproporção entre indivíduos negros X postos de trabalho ocupados por sujeitos com formação superior, haja vista  que esses postos são comumente ocupados por brancos. Por essa razão, adotar o Princípio da Isonomia e o da Razoabilidade parece ser uma medida de equilíbrio social.
 
É curioso que embora a educação seja direito de todos, o nível de escolaridade dos negros é inferior ao dos brancos, mesmo quando se trata de alunos brancos e pobres. Dados estatísticos demonstram que menos de 3% da população negra conclui o ensino superior, lamentavelmente,.
 
Devido às inúmeras discriminações contra o negro, é preciso litigar não apenas por Direitos, mas também por Garantias Constitucionais, conforme reza a Carta Magna.

Andreia Frederico Coutinho.

Graduada em Letras Português pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Pós-graduada/Especialista em Estudos Linguísticos pela Universidade Cidade de São Paulo.

Professora de Língua Portuguesa, Literatura & Redação.

Revisora de textos e de trabalhos acadêmicos (Artigos Científicos, TCC, Monografias, Dissertações, Teses, outros).

Participou da Banca de Redação do Enem e de bancas de correção de vestibulares do Estado do Espírito Santo.

Publica artigos na área de educação e linguagens nos jornais de grande circulação no Estado do Espírito Santo e no site da Editora Protexto, em Curitiba – Paraná.

 
Contatos:
andreiacoutinho12@yahoo.com.br
(27) 9843-1777
 

 

  
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 
ANJOS, R. S. A. A geografia, os negros e a diversidade cultural. Florianópolis: Humanidades, 1998. Série O Pensamento Negro em Educação – Núcleo de Estudos Negros.
 
_______________. Distribuição espacial das comunidades remanescentes de quilombos do Brasil. In: Revista Humanidades. Brasília: Universidade de Brasília, 1999.
 
________________.Territórios das comunidades quilombolas do Brasil: segunda configuração espacial. Brasília: Mapas Editora & Consultoria, 2005.
 
________________. A África, a educação brasileira e a geografia. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei n. 10.639/2003. Brasília: MEC – Secad, 2005.
 
________________. A geografia, a África e os negros brasileiros. In: MUNANGA, K. (Org).  Superando o racismo na escola.  Brasília: Ministério da Educação – Secretaria de Educação Fundamental, 2005.
 
_________________. Geografia, território étnico e quilombos. In: GOMES, N. L. (Org.). Tempos de lutes: as ações afirmativas no contexto brasileiro. Brasília: MEC – Secad, 2006.
 
ARAÚJO, K. Áfricas no Brasil. São Paulo: Scipione, 2003.
 
AZEVEDO, Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites do século XIX. 2 ed. São Paulo: Annablume, 2004.
 
BITTENCOURT, Marcelo. Possibilidades e dificuldades da pesquisa em temas africanos. In: PANTOJA, Selma e ROCHA, Maria José (orgs.). Rompendo silêncios: história da África nos currículos de educação básica. Brasília: DP Comunicações, 2004.
 
CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Parecer sobre as diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: CNE, 2004.
Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Atlas, 2006.
 
COUTINHO, Andreia Frederico. Inclusão ou exclusão social? A Tribuna, 31 out/2006.
 
FERREIRA, R. Afrodescendente: identidade em construção. Rio de Janeiro: Pallas, 2000.
 
FREYRE, G. Casa grande e senzala em quadrinhos. São Paulo: Global, 2005.
 
GOMES, Flávio dos Santos e REIS, João José (Org).Liberdade por um fio: história de quilombos no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1996.
 
LOPES, Ana Lúcia. Caminhos e descaminhos da inclusão: o aluno negro no sistema educacional. Tese de Doutoramento em Antropologia Social. USP. São Paulo, 2006.
 
MATTOS, Hebe Maria. Escravidão e cidadania no Brasil monárquico. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2000.
 
MINTZ, Sidney W. & PRICE, Richard. O nascimento da cultura afro-americana: uma perspective antropológica. Rio de Janeiro: Pallas, 2003.
 
NOGUEIRA, Oracy. Tanto preto quanto branco: estudo de relações raciais.  São Paulo: T.A. Queiroz, 1985.
 
Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais/Secretaria de Educação Fundamental, Brasília: MEC/SEF, 2001.
 
Revista Educação e Realidade. “Currículo, conhecimento e formação docente”. Porto Alegre: UFRGS, v. 23, 2, jul/dez, 1998.
 
REIS, J. L. SILVA E. Negociação e conflito. São Paulo: Cia dasLetras, 1988.
 
RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1995.
 
RODRIGUES, João Carlos. Pequena história da África negra. Rio de Janeiro: O Globo/Biblioteca Nacional, 1991.
 
SANSONE, Livio. Negritude sem etnicidade. Salvador: EDUFBA. Rio de Janeiro: Pallas, 2004.
 
SCHWARCZ, Lilia M. nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na intimidade. In: História da vida privada no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 2002. v. 4.
 
SILVA, Alberto da Costa.  A enxada e a lança: a África antes dos portugueses. São Paulo: EdUSP: Nova Fronteira, 1992.
 
SILVA, Ana. A discriminação do negro no livro didático. Salvador: CED, 1995.
 
SILVA, Luis Heron (org.). A escola cidadã no contexto da globalização. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.
 
SOARES, Carlos Eugênio Líbano. Capoeira escrava e outras tradições rebeldes no Rio de Janeiro (1808-1850). Campinas: Unicamp, 2002.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui