Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (638)  
  Contos (933)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (202)  
  Pensamentos (640)  
  Poesias (2496)  
  Resenhas (129)  

 
 
Alerta das Estrelas
Francisco Ederaldo...
R$ 77,70
(A Vista)



Contos de Curitiba
Airo Zamoner
R$ 36,50
(A Vista)






   > O que e como fazer para escrever bem



Andreia Frederico Coutinho
      ARTIGOS

O que e como fazer para escrever bem

Uma das maiores preocupações que permeiam o âmbito escolar tem sido a produção de texto, em especial o dissertativo, por apresentar dificuldades no seu processo de elaboração e produção.
 
Por ser um texto que procede de reflexões sobre determinado assunto, em que a opinião do locutor deve ser explicitada e, principalmente, acatada pelo interlocutor, exige-se maior rigor e complexidade nos mecanismos de produção. Quer dizer, ao comentar sobre determinado assunto tem-se a pretensão de atingir o outro, seja por convencimento ou por persuasão. Assim, torna-se fundamental se servir de uma linguagem elaborada, haja vista que para se obter adesão do interlocutor, o discurso deva estar bem construído e articulado. Logo, a apresentação das ideias, a progressão sobre as quais se fundamentam e as conclusões são fatores indispensáveis na dissertação.
 
Pode-se afirmar que no discurso dissertativo, a marca da subjetividade é mais explícita que nas demais formas discursivas, ao contrário do que muitos acreditam: ser a dissertação um texto absolutamente objetivo, por não aparecer claramente a marca do “eu”. A subjetividade se evidencia nesse tipo de texto, pois ao emitir opiniões busca-se fazer com que o interlocutor se alie ao locutor. Daí, a intenção do locutor não é apenas de fazer o seu discurso, mas de envolver, sobretudo, seu ouvinte, de forma a convencê-lo e persuadi-lo.
 
Segundo o professor e escritor Antônio Suárez de Abreu, em sua obra A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção (1999), convencer significa construir algo no plano das ideias (trabalha-se a razão) e persuadir significa construir algo no plano da ação ( trabalha-se a emoção). A presença desses elementos provoca mudanças no comportamento do ouvinte em prol do discurso do falante.
 
O processo de convencer e persuadir requer do emissor raciocínio lógico, além de um discurso bem argumentado. É justamente nesse sistema de elaboração que residem as maiores dificuldades.

Comumente, os professores nomeiam a estrutura dissertativa em introdução, desenvolvimento e conclusão. Salienta-se que essa nomeação se refere à estrutura das partes, visto que a estruturação do raciocínio deve vir a priori, ou seja, o texto dissertativo requer organização, seleção lexical, progressão de ideias e argumentatividade. Observa-se, ainda, a importância da clareza ao tema abordado. O bom texto apresenta recursos de eficiência textual: adequação ao tema solicitado, ao tipo de composição e ao nível de linguagem – indispensáveis à clareza e à qualidade do texto.
 
Nota-se que a argumentação parece ser o ponto crucial do texto dissertativo, por ser uma  tipologia textual constituída de provas lógicas ou subjetivas. Por isso, é imprescindível coerência e coesão no que se escreve, além de progressão de ideias no decorrer do texto.
 
Deve-se, ao dissertar, considerar alguns fatores importantes, tais como: o tipo de assunto a ser abordado, o raciocínio mais adequado à argumentação, o entrelaçamento do raciocínio mais adequado à argumentação e o entrelaçamento do raciocínio para se chegar à conclusão de forma convincente.
 
A argumentatividade faz-se presente em qualquer tipo de texto, e não apenas no tradicionalmente classificado dissertativo. Por essa razão, não existe texto neutro, objetivo ou imparcial. Os indícios de subjetividade estão inseridos no discurso, que permite a percepção dos argumentos ali presentes.
 
A pretensão de existir neutralidade em alguns discursos é uma forma de representação, segundo afirma Ingedore Koch (1992): “o locutor se representa no texto como se fosse neutro, como se não estivesse engajado, comprometido, como se não estivesse tentando orientar o outro para determinadas conclusões, no sentido de obter dele determinados comportamentos e reações”.
 
Esse disfarce se consolida por meio de seleção lexical, já que argumentar e persuadir requerem escolha de vocábulos para se obter um texto eficaz. Portanto, torna-se fundamental ao usuário da língua perceber o valor da argumentação presente no léxico, não só no discurso do “outro”, mas, em especial, utilizar-se desses elementos para a construção adequada, eficiente e eficaz do próprio discurso.
 
Andreia Frederico Coutinho.

Graduada em Letras Português pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Pós-graduada/Especialista em Estudos Linguísticos pela Universidade Cidade de São Paulo.

Palestrante e Professora de Língua Portuguesa, Literatura & Redação.

Revisora de textos e de trabalhos acadêmicos (Artigos Científicos, TCC, Monografias, Dissertações, Teses, outros).

Participou da Banca de Redação do Enem e de bancas de correção de vestibulares do Estado do Espírito Santo.

Publica artigos na área de educação e linguagens nos jornais de grande circulação no Estado do Espírito Santo e no site da Editora Protexto, em Curitiba – Paraná.

Autora do livro Como corrigir produções detextos escolares. Editora Protexto: Curitiba, 2012.
 
Contatos:
Andreia Coutinho (facebook)
(27) 9843-1777.
 
 
 

 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 

ABREU, Antônio Suárez. A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. São Paulo. Ateliê Editorial, 1999.
 
______________________. Curso de redação. São Paulo: Ática, 1992.
 
CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. 6 ed. São Paulo: Ática, 1991.
 
COUTINHO, Andreia Frederico. “Fonte de poder e transformação”.  Jornal A tribuna, 12 ago, 1999.
 
___________________________. “Produção escrita”. Jornal A Gazeta, 20 set, 1999.ne
 
FABRE, Claudia & CAPEAU, Paul. “Para uma dinâmica da aprendizagem: leitura, escritura e reescritura”.
 
GERALDI, João Wanderley et al. O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997.
 
GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO: Secretaria de Educação. Coordenadora de Estudos e Normas Pedagógicas. Subsídios à proposta curricular de língua portuguesa para o 1º e 2º graus. São Paulo: SE/CENP, 1988. V. 3.
 
GUIMARÃES, Eduardo. Texto e argumentação: um estudo de conjunções do português. São Paulo: Pontes, 1987.
 
ILARI, Rodolfo. A linguística e o ensino da língua portuguesa. Martins Fontes.
 
KOCH, Ingedore G. Villaça. A inter-ação pela linguagem. 2 ed. São Paulo: Contexto, 1992.
 
_______________________. Argumentação e linguagem. 2 ed. São Paulo: Cortez, 1987.
 
LÁZARO, André. “Leitura e linguagem”. PROLER: RJ, maio, 1993.
 
OLÍMPIO, Hilda de Oliveira. O ensino da língua portuguesa: numa perspectiva textual-discursiva. UFES, 1997.
 
QUEIROZ, Bartolomeu Campos de. “Leitura e literatura”. In: Palestra, BH.
 
ROSA, Guimarães. Tutaméia: terceiras histórias. 5 ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.
 
SILVA, Ezequiel Teodoro. Leitura e realidade. 5 ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1997.
 
THEREZO, Graciema Pires. Como corrigir redação. 2 ed. São Paulo: Alínea, 1997.
 
VARGAS, Suzana. “Pressupostos para uma estratégia de leitura”. In: Leitura: uma aprendizagem de prazer. Rio de Janeiro. José Olympio, 1993.
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui