Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Paisagens-01-012
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



O Recomeço
Paulo Ademir de Souza
R$ 104,30
(A Vista)






   > Ser ou estar, eis a questão



Moacyr de Lima e Silva
      CRôNICAS

Ser ou estar, eis a questão

Não estou querendo parodiar a famosa frase escrita por Shakespeare: “Ser ou não ser, eis a questão”, apenas estou entrando em um campo de clareza filosófica e sociológica, mais uma vez para mostrar o quanto de desvio de conduta, originário pela inversão de valores que impera livre e solta por toda a humanidade, arrastando os seres viventes para uma situação de drogados pela visão estreita, sem noção do que vieram fazer neste planeta. O que tudo indica é que o homem, não tendo noção da sua insignificância perante o Universo, está acreditando que ele mesmo pode ser um ser infalível em sua conduta e em suas opiniões, a ponto de achar possível a salvação do mundo, caminhando em sentido oposto aos desígnios da Natureza! O mundo inteiro está delirando, e isto não pode ser contestado, porque não existem argumentos que sejam defensáveis contra resultados óbvios, ululantes e absolutamente reais - estamos em pleno oceano, com o navio fazendo água, e ainda nos mantemos preocupados com os “combates” das Olimpíadas, com os campeonatos de futebol, ou com o preço da cerveja e da pinga!
Se analisarmos o que acontece com a ciência médica materialista, veremos que ela está colaborando, e muito, para que a saúde mundial se deteriore a um ponto de beco sem saída, principalmente pela atuação das indústrias farmacêuticas, criadoras de “venenos legais”, impingidos aos incautos, de forma desumana e irresponsável. Se analisarmos o que acontece com a nossa agricultura, iremos constatar que a instituição da aplicação de agrotóxicos e de pesticidas está esculhambando com o Planeta, com a fauna, com a flora e com a humanidade – e ainda há os ignorantes além dos limites, que se arrogam o direito de mudar a natureza das coisas, aventurando-se no campo dos transgênicos, julgando-se os próprios “salvadores da pátria”!
Se fizermos uma análise mundial da política, da economia, dos governantes, do comércio, das religiões, das finanças, das benemerências, dos esportes, das comunicações, da educação e demais atividades afins, com certeza iremos encontrar a podridão da corrupção, da luta de poderes, da enganação, da “mutretagem”, da ganância e demais negatividades perniciosas, que só fazem por denegrir a nobreza do ser humano, colocando-o em posição abaixo dos níveis animalescos, porque os bichos agem por instinto natural, ao contrário do homem, que usa sua “inteligência” para agir contra os semelhantes, sempre por interesses vis. É lógico que existe uma irrisória minoria que não se enquadra nesses perfis, mas ela é mínima mesmo, por mais que não queiramos admitir.
Mais uma vez o império da ignorância e da preguiça está comandando a mediocridade dessas atitudes negativas, haja vista o que acontece com o conceito distorcido entre o “ser” e o “estar” – todos sonham em ser alguma coisa importante, porém não querem se sujeitar a muitos esforços para atingirem o objetivo, portanto, se por qualquer razão conseguem chegar lá, por intermédio de caminhos escusos, eles acabam por se colocarem na posição de estarem, mas nunca de serem, o que seria fundamental para obterem sucesso verdadeiro. O fato de alguém estar em uma situação de comando qualquer, mas não tendo preparo para o exercício da função, só provocará resultados desastrosos até para si mesmo. Se quisermos colocar a pessoa certa no lugar certo, isso somente acontecerá quando ela seja uma verdadeira líder, que ela seja essa pessoa pronta a ocupar o cargo desejado, que ela seja aquela que tenha capacidade intelectual, moral, cívica, educacional e salutar para manter a posição em alto nível de credibilidade.
Toda a bagunça que se nos apresenta hoje é apenas o resultado de haver uma imensa quantidade de indivíduos que estão no exercício de funções fundamentais para o bom andamento da civilização, mas que não possuem um mínimo de decência, de inteligência, de escolaridade e de liderança inata, ou seja, aquela capaz de manter a força de comando não por imposição, ou pelo poder do cargo, ou por “vendas” de vantagens, mas pela personalidade preparada, gerada pela alta individualidade. O verdadeiro comandante é aquele que é, não apenas aquele que está. A simples troca da embalagem não irá melhorar a qualidade do conteúdo.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui