Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Sobre gatunos e...
Erasmo Júnior de Melo...
R$ 49,60
(A Vista)



Vida em Palavras
Gilmar Camilo Pereira
R$ 53,40
(A Vista)






   > O primeiro abraço de Octacílio



Airo Zamoner
      CONTOS

O primeiro abraço de Octacílio



Octacílio era a encarnação da felicidade. Talvez ele fosse a própria felicidade. Completamente analfabeto, quase com trinta anos, mantém um sorriso permanente nos olhos claros. Se a boca não era para ele instrumento de comunicação, os olhos certamente o eram. E eles nunca emitiram um único sinal de contrariedade. Sua mudez nasceu com ele. A surdez foi irmã gêmea. Era muito feliz, o Octacílio.
Numa daquelas madrugadas frias de Curitiba, inverno pleno, Frederica ouviu o marido disfarçando ruídos, levantar-se, juntar uns trapos, enfiar a cara pela janela do barraco, soltar aquele vapor pelas ventas, pular e desaparecer. Ela esperava por isto, já que ele não admitia ter um filho aleijão. Culpava a companheira. Na verdade, não teve coragem de enfrentar a criação de Octacílio. Acovardou-se. Fugiu para o nordeste. Nunca mais souberam dele.
Frederica e Octacílio ficaram indiferentes. Gente pobre da vila revezou ajuda e Octacílio cresceu. Frederica o carregou no colo até os quinze anos. Depois nas costas, como um saco de batatas, meio arrastado, quando pesou demais para o colo. Ele ria, ria de seu próprio jeito, naquele período de transição entre o colo e as costas. Ria um riso penoso, quando ficou pesado demais e a mãe não agüentou. Um riso desorientado, gutural, grave, mas era certamente um riso, porque seus olhos não mentiam.
Frederica rejeitou todos os assédios masculinos da vila. Um filho bastava. Aprendeu a calar, mesmo porque exaurira suas cordas vocais em lamúrias e desespero. Com o tempo, aquietou-se. Conformou-se, mas nunca teve certeza da surdez do filho. Hoje está velha, gasta, cansada e olha para Octacílio, sentado na cadeira de rodas que uma fundação emprestou e que foi uma benção para suas agruras.
Parece até divertir-se, assistindo o filho deslizar pelo barraco, trombando nos parcos móveis, exalando felicidade. Só parece, pois sofre e o sofrimento transborda pelos olhos.
A infelicidade de Frederica está incorporada em seus poros. Enquanto Octacílio é a felicidade encarnada, ela é a própria infelicidade. Os cantos dos olhos são caídos, reduzindo a área branca. As pálpebras murchas deixam seus olhos negros pequenos, quase sumidos no rosto magro. Os córregos rugosos junto ao nariz estão sempre úmidos e ela os enxuga o tempo todo com um lenço enorme, quase uma toalha, manchada, embolorada, esfiapada, amarfanhada, que sai e volta do cós da saia comprida. Seu nariz escorre. Escorre sempre, confundindo a coriza eterna com um choro crônico, um choro sem emoção.
Neste exato momento, olhos jogados ao acaso na tentativa de nada mais ver, nada mais sentir, ela se depara com o calendário da Mercearia de seu João, pendurado na tábua da cozinha. Percebe o dia, o mês, o ano... Num repente, seus olhos se agigantam. Os cantos caídos se erguem. O branco floresce e o preto se realça num brilho antigo. Dá um salto da banqueta. Grita um grito que ecoa pelas vielas sujas: “Trinta anos!”. Octacílio se volta para ela com aqueles olhos claros que lembram os do marido fujão. Ele sorri completo, não só com os olhos, mas com o corpo inteiro que se sacode infantilmente na cadeira. Com esforço, ergue o braço, junta o dedo mínimo com o polegar e mostra os três dedos para Frederica. Ela se aproxima, ajoelha-se a seu lado. Na porta, a vila se aglomera e assiste calada, o primeiro abraço de Frederica e Octacílio.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui