Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Estátuas-02-161
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



Dança de Salão, a...
Maristela Zamoner
R$ 36,60
(A Vista)






   > A POLIGLOTA



Cleso Firmino
      CRôNICAS

A POLIGLOTA

        Ontem presenciei uma cena hilária entre duas estudantes de uma escola próxima de casa.
        Estava eu no ponto, aguardando para tomar o ônibus da Universidade, quando percebi um pequeno alvoroço entre um casal de namorados e uma outra jovem.
      Os insultos e palavrões mais absurdos eram proferidos pelas duas. Como eu já estava ali, fiquei observando o amargo diálogo das adolescentes:
       — Você fica ligando para o meu namorado sua ordinária. — Disse uma.
    — Eu não, ele é quem vive me procurando. — Bradou a outra.
         —  Meu namorado é um santo! Você é que é um anjo mal que vive dando em cima dele. Pensa que eu não sei?!
         — Cale a boca sua metida, eu tenho namorado e se você falar mais alguma coisa, sou capaz de partir a sua cara. 
         — Então parta se você for mulher!
      O namorado constrangido com toda aquela situação, gente por perto olhando e cada vez chegando mais, tentava acalmar a situação.
       —  Paciência meninas, vamos resolver esse problema com calma.
        —  Paciência nada, — disse a namorada do rapaz — essa oferecida é uma POLIGLOTA.
           —  Me chamou de quê sua ridícula? — Indagou a outra, tremendo de raiva.
          —  É isso mesmo que você ouviu; você não disse que tem namorado? Quer o meu também por quê? Se você deseja os dois e mais outros, ao mesmo tempo, é porque é uma poliglota.
          — Ah não! — respondeu a ofendida. — eu não lhe dei permissão para falar de minha pessoa dessa maneira; posso ser acusada de tudo, mas ser acusada de poliglota, é o fim do mundo para mim.
         E quando pensei que iria presenciar a pancadaria de verdade, meu ônibus chegou e eu tive que embarcar. Não fiquei sabendo se depois saiu os tapa e os puxões de cabelos, mas aproveitei para me sentar na última poltrona e meditar sobre as armadilhas da nossa Língua Portuguesa, algo que muitas vezes já está internalizado em nosso inconsciente.
        Por ventura, ao proferir a palavra “poliglota”, não quis acusar a suposta amante de seu namorado da prática de bigamia ou até mesmo de Poligamia?
 
       



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui