Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Cidades-03-220
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



R$ 18,90
(A Vista)
INDISPONÍVEL




   > VIOLÃO E VERSOS DE TIÓ



Cleso Firmino
      CONTOS

VIOLÃO E VERSOS DE TIÓ

                    Depois de muito tempo, mais de vinte anos em que o violão estava dependurado na parede da sala, Tió, após chegar de viagem, pega novamente aquele pinho empoeirado e ensaia meio sem jeito uns acordes aqui, outros acordes ali... mas os dedos estavam duros, enrijecidos pelo tempo.
                    — Estou enferrujado! — Pensou consigo. Também pudera, vinte anos se passaram desde que o deixara ali dependurado.
                    O padre entra e o vê sentado no banquinho tripé ao lado porta.
                    — O que faz com esse violão velho, Tió?
                   — Matando a saudade! — respondeu o rapaz — vou aproveitar e escrever uma música.
                    — Vai falar sobre o quê sua música?
                   — Ah, — respondeu — eu ando meio magoado, por causa do amor de uma danada. Quem sabe não dá uma boa música?!
                     O padre riu-se baixinho por achar graça do que Tió dissera.
               — Você é engraçado Tió, qualquer dias desses, essas paixões repentinas vão te matar.
                  — Mata não padre, paixão machuca, machuca muito! — Exclamou Tió — Mas não mata.
               O padre riu-se novamente e saiu caminhando em direção a igrejinha. Tió ficou ali o resto do dia brigando com aquele violão.
                — Já sei! — Uma luz iluminou a mente do rapaz, e num fechar e abrir de olhos ele rabiscou uns versos. Parecia tão simples, mas quando o padre voltou a música estava prontinha.
                      — Ficou pronta Tió? — Perguntou o padre.
                      — Ficou sim, padre. Escuta aí.
              O padre pôs atenção naquilo, e ele rasqueando o violão, cantou os versos:

                            “Foi num belo mato grosso
                             Há muitos anos atrás
                            Naqueles tempos queridos
                            Que não volta nunca mais...”






Nesse texto rendemos uma singela homenagen ao compositor, de Pé-de-cedro, Zacarias Mourão.



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui