Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (131)  

 
 
Estátuas-02-161
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)



A Garota do Posto
Francisco Moreira de...
R$ 25,90
(A Vista)






   > TIO TORTO E O ESGUALEPADO



Cleso Firmino
      CONTOS

TIO TORTO E O ESGUALEPADO

              “Esgualepado”. É nome que foi dado ao cachorro do tio Torto.
           Descrevemos então o tio torto: Gente boa, amigo de todo mundo, adorava distribuir caramelos para a criançada na pracinha Ernesto. Já tinha seus quarenta e cinco anos, mas ainda era um menino, uma criança grande e desengonçada, que corria com a molecada, que jogava bolinhas de gude, que brincava de esconde-esconde... tio Torto não crescera, foi menino a vida toda.
              Nasceu tão feio, cabeçudo, com uma perna mais curta que a outra, uma mão atrofiada, que a vovó conceição até pensou em jogá-lo rio a baixo, mas depois se arrependeu e resolveu criá-lo.
            Isso foi bom, porque ele brincava comigo, me contava estórias, me ensina a orar... Tio Torto tinha uma alma generosa; sempre me dizia que lá no céu morava um homem chamado Jesus, o qual amava e cuidava das criancinhas que eram boas; falava muito enrolado, gaguejando, mas eu entendia tudo o quanto ele queria me dizer.  Ainda me recordo nitidamente do versículo da bíblia que ele sempre recitava para mim: “Deixai vir a mim as criancinhas, e não as impeçais, pois delas é o reino de Deus”.
        Quando eu não estava com tio Torto, ele se sentia sozinho e para não se sentir assim, resolveu arrumar um vira-lata; era um cãozinho pulguento que vivia se coçando, mas que lhe servia de companhia quando eu ia para a escola; quando eu retornava para casa, nós três brincávamos juntos.
          Certo dia, o cachorro mordeu um sapo e o batráquio soltou leite em sua boca; dizem que sapo não tem veneno, mas o cachorro ficou doente; os seus ossos enfraqueceram e o pobre cachorro desconjuntou-se todo.  Andava todo torto, semelhante ao seu dono.
            Era até engraçado quando aquelas duas figuras saiam pelas ruas. Todo mundo parava para observá-los e zombavam e riam deles. Por causa da semelhança entre os dois é que o cachorro ganhou o nome de “Esgualepado”.
Cada dia que passava o animalzinho adoecia ainda mais; até que um dia acabou morrendo.
          Tio Torto chorou profundamente a perda do amigo.  A partir daquele dia, já não era o mesmo: sua alma se abateu de um tanto, que já não sentia mais vontade brincar com a molecada, nem comigo; recolheu-se em seus aposentos para curtir a tristeza que traspassava seu espírito.
Um dia vovó Conceição entrou no quarto e viu o pobrezinho coberto dos pés a cabeça e notou que estava com muita febre e delirando.
              — O que você tem Torto? Perguntou vovó.
Mas ele não se pronunciou; ficou em silêncio.
              — O que você quer torto? Insistiu vovó.
             — Es.gua.le.p.ado!... Sussurrou de modo compassado.
E foi só isso, tio Torto não falou mais nada; virou para o canto, adormeceu e sonhou com uma luz muito forte, que vinha ao seu encontro, e dela saia uma suave voz que lhe dizia: “Vinde a mim, minha eterna criança, porque seu é também este Reino”. Tio Torto adormeceu e nunca mais acordou.
 



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui