Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (217)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2528)  
  Resenhas (130)  

 
 
Estátuas-03-163
Airo Zamoner
R$ 0,00
(A Vista)



Biologia Ambiental
Maristela Zamoner
R$ 97,80
(A Vista)






   > No ônibus ( Retratos I )



Amarilia Teixeira Couto
      CRôNICAS

No ônibus ( Retratos I )

No ônibus  ( Retratos I )

Uma jovem entra no ônibus com um garotinho.Sentam-se bem à minha frente.O menino, de aproximadamente três aninhos de idade, senta-se no lugar indicado pela jovem e ensaia uns arrufos,começa a choramingar.Mas o choro ficou só no ensaio, pois a mãe ( era a mãe do garotinho!) logo aos safanões o faz engolir o pranto nascente,empurrando-o para o canto do assento.Passo a prestar mais atenção à cena.Quando entraram no ônibus pensei que fossem irmãos, ou mesmo tia e sobrinho, tal era a jovialidade da moça.Idade? nada além de dezoito anos.Jeito franzino, mignon, parecia adolescente.O que me chamou a atenção foi a rispidez e, ao mesmo tempo, a falta de cuidado com o menininho.
O ônibus seguia o seu percurso e eu continuava a observar o que ocorria na poltrona da frente.A criança, depois de certo tempo, voltou a chamar a mãe, tentava entabular uma conversa com ela.-Mãe, ó mãe, olha lá , um cachorrinho!
-Cala a boca, menino! E continuava atenta ao seu celular, aliás único foco de sua atenção desde o momento que entrara no ônibus.Esqueci de dizer que,desde que entrou e sentou-se à minha frente, ela não tirara os olhos e os dedos do celular.Seria uma estátua, não fossem os movimentos dos dedos no teclado do aparelhinho e os rosnados direcionados ao filho quando o mesmo a interpelava.
Enquanto observava a cena patética , pensava no que poderia levar uma jovem mãe a uma frieza tão cruel com o filho. E a criança ainda tentou chamar a atenção da mãe algumas vezes.Até,que vencido, colocou seus pezinhos contra o encosto da poltrona da frente e passou a brincar com o cadarço do tênis.Assim ficou por um bom tempo até que o sono chegou e, como qualquer criança, procurou o colo da mãe.Nesse instante, o meu coração se confrangeu.Eu pensei:_ Agora ela vai colocá-lo no colo, fazer uma carícia...Qual nada! Ela ficou impassível, atenta somente ao celular.
De repente, ela levanta a mão e aciona o sinal de parada O garotinho é empurrado bruscamente e acorda sobressaltado.Nenhuma palavra da mãe para o filho.Penso comigo mesma: -Será que ela vai deixar o menininho no ônibus? Será?? Ela levanta, vai em direção à porta e, pasmem! O menininho pula da poltrona, agarra-se à mão da mãe e desce junto com ela.Silêncio total.

Presenciei essa situação já há bastante tempo.Nunca consegui esquecer a cena.Esperava o momento certo de compartilhá-la com um grupo de leitores que sempre me prestigia.É que a ausência total de afeto da mãe com o filho me incomodou sobremaneira.Não que eu viva num mundo de conto de fadas , numa bolha, e desconheça as cruezas da vida, muito pelo contrário.Mas, o que mais me tocara à época, foi a indiferença materna, a troca da atenção do filho pelo celular.E a dura batalha que uma criança tem de enfrentar, desde a mais tenra idade, pela sobrevivência.O choro engolido, o colo negado, o abandono anunciado....Deus meu! São lições duras demais pra quem não pode ainda escolher.
Ainda espichei o olhar para ver os dois que ficaram para trás.Ainda tinha a esperança de vislumbrar um espectro de carinho.Para minha decepção, nada vi.O garotinho agarrara-se à blusa da mãe que seguia a passos largos e tentava acompanhá-la.Engoli a emoção e dei graças a Deus de perdê-los de vista.

 


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui