Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Sobre gatunos e...
Erasmo Júnior de Melo...
R$ 49,60
(A Vista)



Elisa pede passagem
Ingrid Regina...
R$ 39,70
(A Vista)






   > Elementos Paraverbais e Não Verbais: A Interação no olhar Bahktiniano



Francisco José Costa dos Santos
      ARTIGOS

Elementos Paraverbais e Não Verbais: A Interação no olhar Bahktiniano

      A interação humana é considerada uma atividade bastante conhecida pelo fato de penetrar em várias áreas do conhecimento, propiciando o surgimento de uma visão multidisciplinar. Para Rector & Trinta (1999, p. 8), interagir é manifestar uma presença na esfera da vida social. É estar-no-mundo-junto-com-outros.

      Seja qual for a definição adotada para a interação, sabemos que, quando interagimos, assim o fazemos, com o objetivo principal de transmitir mensagens, que se constituem unidades do processo comunicativo. Essas mensagens podem ser transmitidas pelo uso de códigos, que têm suporte físico de maneira diversa, representado tanto pela palavra “fora” pronunciada pelo juiz para expulsão de um jogador de campo até o erguer dos braços para indicar, no mesmo campo discursivo, o término da partida.

      Para Cosnier et Brossard (1984), interação não verbal e verbal merecem um ponto de destaque, uma vez que antes a linguagem só era vista como um sistema arbitrário de comunicação, permitindo transmitir representações a outrem, sendo valorizada apenas em sua realização acústica. No entanto, a interação multicanal tem sido requerida por etnólogos, antropólogos, sociólogos, psiquiatras, dentre outras especificidades, o que prova a sua plurifuncionalidade, evidenciando assim laços com o não verbal realizados dentro de um gênero.

      Buscando compreender a noção de gênero, adentramos ainda mais no conhecimento de Bakhtin para encontrar base teórica à afirmação de que não há comunicação e/ou conversação fora de um gênero.

      A riqueza e a diversidade dos gêneros discursivos são ilimitadas, porque as possibilidades de atividade humana são também inesgotáveis e porque cada esfera de atividade contém um repertório inteiro de gêneros discursivos que se diferenciam e se ampliam na mesma proporção que cada esfera particular se desenvolve e se torna cada vez mais complexa (Bakhtin1986 p. 60).

      Pelas palavras de Bakhtin, somos levados a entender que a Análise da Conversação (doravante AC) transita nas diversas esferas das atividades humanas assumindo contornos contextuais próprios e procedimentos que permitem o estabelecimento de relações de sentidos que vão para além do uso da fala e permitem observar que as conversações são construtos coletivos, feitos não só de palavras, mas também de gestos, silêncios e entonações, conforme nos aponta Kerbrat-Orechioni (1996/2006 p.36) ao afirmar que “as conversações exploram diferentes sistemas semióticos para se constituir”.

      É pertinente tomar a ideia de que “a visão é natural; criar e compreender mensagens visuais é natural até certo ponto, mas a eficácia, em ambos os níveis, só pode ser alcançada através do estudo.” (DONDIS, 1997, p.16). Mesmo sendo uma “sociedade da imagem”, pouco se observa a busca de tentativas teóricas no sentido de estruturar e analisar a linguagem visual.

      Tal fato merece atenção, pois a imagem, como linguagem que atende às necessidades de comunicação do homem, em determinado contexto sócio-histórico, está marcada por um modo de ser e por uma visão de mundo. “Toda linguagem é ideológica”. (AGUIAR, 2004, p.75).

      Fundamentada pelo pensamento de Bakhtin/Volochínov (1929/2006), Aguiar (2004) afirma que:

[...] todo signo é ideológico, pois possui um significado e remete a algo fora de si mesmo. Um corpo físico (como uma árvore) vale por si próprio, coincide com sua natureza; um instrumento de produção (como uma foice ou um martelo) possui apenas uma função que é desempenhar um papel na produção, sem um sentido preciso. No entanto, quando usados intencionalmente pelos homens, tanto a árvore como a foice e o martelo passa a ter uma ideologia: a árvore pode estar de propósito no plano ornamental de uma praça, significando um modo de conceber a vida naquele espaço urbano; a foice e o martelo são usados como emblemas da antiga União Soviética, representando o governo comunista. Nos dois casos, esses elementos desprovidos de ideologia, passam a ser tratados ideologicamente. (AGUIAR, 2004, 79-80).

      Ora, se o signo linguístico defendido por Bakhtin está inerente ao processo interacional ela tem uma carga ideológica que traz imbricada em sí, a interação se materializa através de gêneros discursivos e, dessa forma, tendo por norte que toda interação se realiza dentro de um gênero é necessário evocar o filósofo russo Mikhail Bakhtin, mais uma vez, a partir dos conceitos clássicos de gênero estabelecidos por Aristóteles e num processo de revisão histórica e literária, Bakhtin e um grupo de pensadores, entre eles Medvedev e Volochínov que constituem seu Círculo, vão tecendo a teoria ao longo de várias obras em que discutem a linguagem.

      Em Marxismo e filosofia da linguagem (2006), assinada por Volochínov, mas cuja autoria é atribuída a Bakhtin, os comentários críticos giram em torno das teorias existentes na época: a linguística saussuriana e a estilística.

     Entretanto, apesar de não tratar diretamente dos gêneros, observa-se a gestação dos princípios fundamentais para a elaboração da teoria enunciativo-discursiva, cujo desenvolvimento em estudos posteriores redundará na conceituação dos gêneros do discurso, expressa numa de suas obras mais importantes, Estética da criação verbal (2003), assinada por ele mesmo.
   
   Os capítulos que tratam da diferença entre tema e significação e da interação verbal, na obra Marxismo e Filosofia da Linguagem, são fundamentais para a estruturação do conceito dos gêneros discursivos que será desenvolvido naquela obra. 
   
   Assim, o princípio dialógico constitutivo de toda a comunicação, discutido em vários textos ao longo do tempo, é o eixo em torno do qual seu pensamento se estrutura e fundamenta a teoria dos gêneros discursivos. Apesar de tomar as obras literárias como objeto de análise e aplicação da teoria, o autor não abandona as produções mais simples de comunicação na vida diária, como se verifica no texto “Discurso na vida e discurso na arte” (1926) assinado Voloshínov/Bakhtin, em que os enunciados do cotidiano são discutidos, entre eles a forma mais elementar, os cumprimentos de cortesia que circulam na esfera da convivência humana. É a partir dessas fórmulas simples que o autor vai gestando o conceito de gênero, modelo organizador de toda a interação humana.
    
  Partindo do princípio de que toda a forma de interação é “um elo na cadeia discursiva” (BAKHTIN, 2003: 299), porque ao interagirmos usamos palavras alheias que herdamos de nossos antepassados e as atualizamos em função de nossas necessidades atuais, projetando-os para os leitores/ouvintes imediatos e futuros, Bakhtin também afirma que a escolha das palavras que usamos está intrinsecamente ligada à proposta de interação, que por sua vez determina o modelo genérico que organiza o enunciado.
   
     Para o filósofo da linguagem, aprendemos a moldar nosso discurso em formas de gênero e, quando ouvimos o discurso alheio, já adivinhamos o seu gênero pelas primeiras palavras, adivinhamos um determinado volume (isto é, uma extensão aproximada do conjunto do discurso), uma determinada construção composicional, prevemos o fim, isto é, desde o início temos a sensação do conjunto do discurso que em seguida apenas se diferencia no processo da fala. Se os gêneros do discurso não existissem e nós não os dominássemos, se tivéssemos de criá-los pela primeira vez no processo do discurso, de construir livremente e pela primeira vez cada enunciado, a comunicação discursiva seria quase impossível. (BAKHTIN, 2003: 283).

      Em toda a forma de interação, o enunciador estabelece um diálogo permanente com um destinatário implícito que tanto pode ser o mais próximo, quanto um possível leitor distante no tempo e no espaço. Essa constituição interna do sujeito enunciador determina o tema, a forma de composição e o estilo de sua produção. É justamente essa relação que constitui os gêneros discursivos que circulam em qualquer esfera de atividade humana, desde uma simples forma de cumprimento oral, considerada gênero primário até as formas mais complexas que exigem um processo de elaboração mais requintado como os literários, jornalísticos ou publicitários (op.cit.: 276 -7). Apesar de se debruçar mais especificamente sobre enunciados verbais, Bakhtin não descarta a possibilidade de considerar outras formas de manifestação enunciativa, ou seja, os outros meios de expressão, conforme afirma:

      Numa abordagem ampla das relações dialógicas, estas são possíveis também entre outros fenômenos conscientizados desde que estes estejam expressos numa matéria sígnica. Por exemplo, as relações dialógicas são possíveis entre imagens de outras artes, mas essas relações ultrapassam os limites da metalinguística. (BAKHTIN, 2002:184)

      Ao abrir esse espaço para a reflexão sobre novas formas de produção enunciativa, Bakhtin permite a articulação dos estudos da linguagem numa perspectiva verbo-visual, como fazem pesquisadores da estirpe de Brait (2005: 98).

      É nessa perspectiva que se inserem os elementos paraverbais e não verbais realizados em um gênero discursivo e que semanticamente se aliam ao verbal para consolidar a interação.

      Esses elementos são evocados pela Análise da Conversação (doravante AC), que por sua vez, surge dentro da etnometodologia e se volta a compreender as interações pelo viés da interação dialogada.

      Para Kerbrat-Orechioni (1996), as conversações são “construções coletiva” feitas de palavras, porém recheadas de silêncios e entonações, gestualidades, posturas e que exploram diferentes sistemas da semiótica para formatar sua constituição.

      A autora vai chamar de material não verbal aquilo que é prosódico e vocal, ou seja, as unidades que são transmitidas ao canal auditivo, tais como entonações, particularidades de pronúncia, características da voz, etc., e de material não verbal aquilo se insere no campo da visualização. Conforme a autora, esses elementos são classificados como signos estáticos, cinéticos lentos e cinéticos rápidos. Os signos estáticos vão dar conta da aparência física dos participantes da conversação, enquanto que os cinéticos lentos apontam para o distanciamento, atitudes e posturas, por fim, os cinéticos rápidos vão tratar do jogo de olhares, mímicas, gestos, etc.

      Ao falarmos desses elementos é preciso realizar a observação sobre a importância destes materiais para o processo de análise por isso coloca-se como cabal observar a coerência do diálogo.

      Parafraseando Kerbrat-Orechioni, podemos dizer que se excluirmos da análise das conversações todos os elementos não verbais, seremos, em alguns casos, inca pazes de explicar a coerência do diálogo, já que é nessa esfera de atuação que ocorre a interveniência sucessiva de atos verbais e não verbais. Continua a autora dizendo que “é impossível ao analista explicar o funcionamento global da interação, na medida em que nela intervêm simultaneamente elementos verbais, não verbais e paraverbais” (Kerbrat-Orechioni, 1996/2006 p. 39).

      De acordo com Kerbrat-Orechioni, (op.cit.), a importância do material paraverbal e não verbal reside nos seguintes aspectos:

• Certos comportamentos não verbais são considerados como condições de coerência do diálogo;
• São importantes indicadores de passagens de turnos de fala;
• Auxiliam a determinar significações implícitas;
• São indicadores dos estados afetivos dos participantes, pois funcionam como vetores que privilegiam a expressão das emoções e indicam também as formas de relação interpessoal; 
• Têm a função de facilitadores cognitivos.

      Ainda buscando beber na fonte da mesma autora, podemos dizer que se excluirmos da análise das conversações todos os elementos não verbais, seremos, em alguns casos, incapazes de explicar a coerência do diálogo, já que é nessa esfera de atuação que ocorre a interveniência sucessiva de atos verbais e não verbais. Continua a autora dizendo que “é impossível ao analista explicar o funcionamento global da interação, na medida em que nela intervêm simultaneamente elementos verbais, não verbais e paraverbais”. (Kerbrat-Orechioni, 1996/2006 p. 39).

      Concluímos retomando Bakhtin e observando que o pesquisador russo jamais utilizou os termos elementos paraverbais e não verbais na perspectiva que hoje vislumbramos, contudo, seus estudos nos permitem concluir que mesmo sem utilizar tal nomenclatura ele contemplou no conjunto de sua obra, olhares que abrem “campo de suporte” para traçarmos uma linha de convergência para essa área do conhecimento.

Referencias:
AGUIAR, V. T. O verbal e o não verbal. São Paulo: UNESP, 2004.
BAKHTIN, m. m. Estética da criação verbal.  Trad.do russo por Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.
BAKHTIN, m.; VOLOCHINOV, V.N. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. Trad. do francês por Michel Lahude Yara F. Vieira. 11. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.
BRAIT, Beth; Bakhtin: Conceitos Chaves, Contexto, São Paulo, 2005.
DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1986.
KERBRAT-ORECHIONI, C.; Análise da Conversação: Princípios e métodos; Trad. Carlos Piovezani Filho; Parábola São Paulo SP;



CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui