Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (641)  
  Contos (940)  
  Crônicas (724)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (207)  
  Pensamentos (651)  
  Poesias (2525)  
  Resenhas (129)  

 
 
Sobrevivendo da...
Marilia Zamoner
R$ 66,90
(A Vista)



Geométricas-03-217
Airo Zamoner
R$ 104,00
(A Vista)






   > Tia Augusta



Amarilia Teixeira Couto
      CONTOS

Tia Augusta

Era assim: Ela ficava debruçada à janela sempre na parte da manhã.Aos domingos, principalmente, estava sempre lá.Com os olhos atentos,a absorver a vida que trancorria nas ruas, o ir e vir dos fiéis que retornavam das missas, com suas roupas de ver Deus.Era nesse burburinho dominical que ela desfranzia um pouco o cenho e esboçava um leve sorriso quando reconhecia entre os transeuntes alguém.E era nesses momentos que o olhar arguto da minha tia caía sobre mim.Todos os domingos, por volta das dez horas, lá ia eu, com meia dúzia de colegas entre sete e dez anos, rumo ao catecismo que acontecia no salão paroquial.E todas as vezes que passava pela janela da tia Augusta, o mesmo acontecia.Ela esticava a mão e dizia o mais alto que podia: Menina, vem cá!E se ela chamava, não tinha remédio, tinha de atendê-la.Deixava o meu bando e adentrava a casa.Já sabia o que ela queria.Com seu jeito meio desajeitado, me abençoava e me levava até a cozinha.Lá abria uma lata onde guardava uma deliciosa quitanda e enchia as minhas mãos.Depois só dizia:É pra você comer depois do catecismo.Agradecida, pedia novamente a bênção e saía, não antes de correr os olhos por toda a casa tão sisuda quanto a própria tia Augusta que, com seu jeito de pouquíssimas palavras e olhar duro e rosto sempre fechado, morava sozinha e afastava todo mundo do seu convívio.A criançada então tinha muito medo dela.Engraçado que eu, apesar do medo, tinha carinho por aquela senhora tão solitária e tão enigmática.E parece que ela conseguia captar essa minha simpatia, pois não perdia a oportunidade de convocar-me para uma chegada rápida a sua casa.Na verdade o seu chamado era uma ordem, pois ninguém na família ousava contestar a Tia Augusta.
Ao ganhar novamente a rua e me juntar às minhas amigas, sentia um misto de alívio e alegria.Aliviada por sair daquela casa escura e um pouco assustadora , alegre por perceber naquela senhora uma ternura, um rosto mais suave que poucos conseguiram apreender.Ela era à sua maneira uma bondosa e terna mulher, apesar de toda a fama de durona que a vida lhe atribuíra.
Hoje, quando passo por algum lugar de casario modesto e vejo alguma pessoa debruçada à janela, com o olhar atento ao bulício das ruas, logo me vem à mente a figura imponente e austera de minha querida Tia Augusta.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui