Busca: 

Apelido:

Senha:


Esqueci minha senha
 
  Área do autor

Publique seu texto
  Gêneros dos textos  
  Artigos (653)  
  Contos (939)  
  Crônicas (730)  
  Ensaios (169)  
  Entrevistas (35)  
  Infantil (204)  
  Pensamentos (643)  
  Poesias (2504)  
  Resenhas (129)  

 
 
SÓ RIA, mesmo que...
Roberto de Souza
R$ 39,52
(A Vista)
INDISPONÍVEL

Os Egmons
Airo Zamoner
R$ 40,40
(A Vista)






   > Caros amigos



Amarilia Teixeira Couto
      ARTIGOS

Caros amigos

Caros amigos

Chega um tempo em nossas vidas em que as amizades construídas durante toda uma existência voltam a ter um valor imensurável, bem mais de quando éramos adolescentes e não concebíamos a vida sem o nosso bando.Naquela época a turma era a nossa segunda pele, a nossa identidade, aliás, como hoje, só que os jovens são outros.
Quem já passou dos quarenta, ou dos cinquenta, sabe do que estou falando.Muitos, nesta fase da vida, já construíram e desconstruíram muita coisa, muitas relações, belas ou nem tanto, felizes ou desastrosas, foram vividas.Algumas permaneceram sólidas, outras se deterioraram com o passar do tempo, talvez por terem tido um mau começo e já estavam fadadas ao fracasso, ou porque algo se perdeu pelo caminho e o fim aconteceu.Demérito nenhum nisso, pelo contrário.Quem nunca soube da dor, também não soube do amor.Acho que é mais ou menos isso.
Mas retomando o meu pensamento, deixando de lado as divagações, quero falar de amigos.É quando o amor se vai que mais precisamos deles.E muitas vezes fica quase impossível reencontrá-los.É que a paixão é sempre egoísta.Se estamos felizes com o(a) parceiro(a), temos a mania, ou a necessidade de isolamento.A gente quer viver idilicamente, unha e carne, o casal se basta.Mas será mesmo? Será possível prescindir de outras companhias, de outras interações? O tempo dá a resposta e mostra que não.Quando nos vemos de novo solteiros(as), temos a exata dimensão do vazio em que mergulhamos.Aí bate uma saudade danada das conversas leves, dos segredos confessados a meia voz, da mesa repleta no barzinho preferido, das novidades da semana servidas como petiscos entre uma cerveja e outra, dos telefonemas no fim da tarde confirmando o Happy hour ou o convite para o show do artista preferido da turma.É, porque geralmente os gostos são iguais ou bem parecidos.Amigo é assim: combinação quase perfeita de tudo.Mais sintonia que a maioria dos casais.E é isso que a gente vai perdendo pela vida  afora em nome de que mesmo?
Sempre é tempo de tentar resgatar os laços de afeto que foram preteridos ou afrouxados.Mas acho que vale a pena tentar conservar as amizades de forma contínua e verdadeira.Amigo é aconchego, é bem que não tem preço, é riqueza que não se consome pelo uso.Melhor fazer isso para não se sentir abandonado na vida quando o amor seguir em outra direção.


CADASTRE-SE GRATUITAMENTE
Você poderá votar e deixar sua opinião sobre este texto. Para isso, basta informar seu apelido e sua senha na parte superior esquerda da página. Se você ainda não estiver cadastrado, cadastre-se gratuitamente clicando aqui